Edição nº 1096 15.11 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Paulo Leme, presidente do Conselho de Administração da Vinland Capital

Nenhum dos cenários eleitorais extremos está precificado pelo mercado

Calebe Simões / Ag. IstoÉ

Nenhum dos cenários eleitorais extremos está precificado pelo mercado

Gabriel Baldocchi
Edição 10/08/2018 - nº 1082

Nos próximos meses, os alunos da Universidade de Miami que passarem pela disciplina de finanças internacionais terão acesso a uma visão privilegiada do Brasil. Como professor estreante, o economista Paulo Leme realizará o seu sonho de dar aulas fazendo o que, na prática, já fazia há um bom tempo: explicar a conjuntura econômica a um grupo de interessados. Até então, as lições eram voltadas exclusivamente a investidores e clientes do Goldman Sachs, banco no qual foi presidente para o Brasil até o início deste ano, depois de passar pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). Dos Estados Unidos, onde atualmente preside o Conselho de Administração da gestora Vinland Capital, Leme conversou com a DINHEIRO sobre as projeções para a economia brasileira e para as eleições. Confira:

DINHEIRO – Começamos o ano falando num PIB de 3% e agora estamos próximos de 1%. O que aconteceu? Há algum problema estrutural?

PAULO LEME – Os economistas foram otimistas demais. Os desafios e os riscos eleitorais durante 2018 foram subestimados. Fatores combinados, como a greve dos caminhoneiros e as eleições, levaram para uma projeção abaixo do que pareceria realista no começo do ano, de 2%. Hoje gravita mais em torno de 1% ao ano. Em termos estruturais, tem uma deficiência enorme de poupança, que está abaixo do nível de países africanos, uma taxa de investimentos muito baixa e uma produtividade da ordem de zero. Esse número vinha próximo a 2%, então quer dizer que o PIB potencial, que já foi de 4% e 4,5%, está muito mais próximo de 1,5% e 2%. Sem uma quantidade de reformas na parte fiscal, vai ser muito difícil sairmos desse patamar de 2%. Para 2019, eu acho que o PIB está mais próximo de 2% ou 2,5%.

DINHEIRO – O senhor já havia alertado para o problema da poupança numa entrevista em 2013. Aprendemos a lição? Esse tema deve ser tratado no debate eleitoral?

LEME – Me surpreenderia muito se o debate político fosse de alto nível técnico em matéria de economia. Não vejo isso. Com um nível tão baixo de poupança doméstica, ou se tem um entrada gigantesca de fluxos de capitais ou um processo de ajustes. Quando se tem um déficit primário acima de 2% do PIB, a primeira medida que tem de ser feita é um ajuste fiscal nos quatro anos, da ordem de 4%. Pode fazer metade nos dois primeiros anos e a segunda metade, nos outros. Nem tudo isso precisa vir de corte de despesas. Com reformas estruturais profundas e abrangentes poderia se ter um aumento de produtividade, uma alta no investimento e, com isso, o crescimento do PIB. A receita preencheria o resto desse hiato fiscal.

DINHEIRO – O risco político já foi totalmente precificado pelo mercado ou ainda veremos mais volatilidade nos índices?

LEME – No começo do ano tinha a questão das eleições, mas praticamente estava definido que a Faria Lima queria um candidato reformista e que ele ia ganhar com relativa facilidade, seja lá quem fosse. Depois, concluiu-se que estava muito difícil chegar a uma coalizão por um nome forte no centro. O mercado vendeu e trocou de posição. Teve queda forte da Bolsa e afetou o câmbio. Quando definiu quem é o candidato do centro, o Geraldo Alckmin, o mercado comprou essa opção. Eu diria que nenhum dos cenários eleitorais extremos está precificado pelo mercado. Uma vitória do Alckmin poderia levar a um nível de Bovespa mais próximo a 95 mil pontos e uma apreciação do câmbio a R$ 3,50. Uma vitória do Alckmin não está no preço, como não está no preço o Bolsonaro ou Haddad ganhando, que seria uma queda da Bolsa. O mercado trataria de maneira diferente os dois, mas não otimista. O fato de que o Centrão está em volta de um candidato só é positivo, mas acho que tem muita coisa para acontecer até outubro para ter uma reprecificação dos ativos e isso se traduz em volatilidade.

DINHEIRO – Vai depender um pouco das pesquisas de intenção de voto.

LEME – Para um candidato que sairia vencedor em outubro, a posição inicial do Alckmin é muito desconfortável. Não é que ele vai conquistar corações e mentes, mas pode crescer mais pelos erros dos opositores. Não é uma vitória fácil. Tem praticamente metade dos eleitores que não se focaram nas eleições ou 25% que votariam em branco ou nulo. O cenário é ainda de difícil definição, mas está praticamente entre quatro candidatos: Alckmin, Haddad, Bolsonaro e Marina, ainda no páreo.

DINHEIRO – O mercado financeiro abraçou o Bolsonaro?

LEME – Não, não acho. Existe uma dispersão muito grande de opiniões. Há entusiasmo com o Paulo Guedes, que é um excelente economista. Seria muito positivo ter alguém como ele em Brasília, mas temo que isso é subestimar o que é necessário a partir de 2019. Há dois diferentes desafios, uma bela condução da política econômica, com bons economistas, mas uma reforma política, uma recondução do processo político e a capacidade de gestão no Congresso. A governança é tão importante quanto a política econômica e não me parece que o Bolsonaro preenche esses quesitos. É um candidato que tem de ser considerado como possível para o segundo turno, mas que apresenta riscos para o mercado, para a economia e para o processo político brasileiro também.

DINHEIRO – No processo de escolha de vices, ele já enfrentou algumas dificuldades.

LEME – As primeiras declarações de seu vice não foram realmente das mais felizes.

“Bolsonaro apresenta riscos para a economia e para a política brasileira”Em debates e sabatinas, o candidato vem tentando reforçar a mensagem de que as ideias do guru econômico Paulo Guedes serão integralmente adotadas (Crédito:Mateus Bonomi)

DINHEIRO – Como os estrangeiros enxergam o país?

LEME – O investidor olha muito mais risco-retorno. A realidade que se apresenta é a seguinte. O carrego, que é o ganho com juros, ajustado por câmbio, no Brasil, despencou: foi de 14% para 6%. E, nos EUA, a situação foi oposta, tem uma taxa de juros que está subindo e uma moeda se valorizando. Qual é a melhor das duas opções, estar exposto em real ou em dólar? Tem de apresentar um caso de crescimento ou de juros muito favorável para compensar o risco político. No momento, é difícil deixar para trás uma bolsa americana que sobe, uma economia que cresce acima de 4%, com uma taxa de juros em alta, com um câmbio se valorizando. Na margem, o investidor estrangeiro, que se afastou dos emergentes no segundo trimestre, agora criou um vetor de preços mais interessantes para voltar a entrar. Está olhando de volta os emergentes para realocação de carteiras no 4º trimestre. Se fizermos o dever de casa e apresentarmos uma proposta decente de programa econômico, não vejo porque não ser um destino importante e o investidor voltar ao Brasil.

DINHEIRO – Os dados de crescimento nos EUA mostram um ritmo muito forte. Esse nível é sustentável? O que isso significa para o resto do mundo?

LEME – A taxa de 4,1% é realmente muito impressionante, mas não é sustentável para os EUA. Está mais próximo de 2,5% ao ano do que dos 4%.Essa disparada é resultado do estímulo fiscal, não só da redução dos impostos, mas pelo aumento do gasto público. A taxa de desemprego de 3,6% é a mais baixa dos últimos 50 anos. A maior ameaça à sustentabilidade ao crescimento americano é o próprio governo. Na medida em que vai sobrestimulando uma economia que não precisa de estímulo fiscal e continua gastando e aumentando o déficit, eventualmente o que está contratando é a necessidade de aumentar as taxas de juros para mais do que o mercado espera. O risco é sobrestimular e forçar um freio via Fed (banco central americano), o que sempre leva a uma recessão. E a escalada de uma guerra comercial é bastante desencorajadora porque sabemos que é uma receita certa em que todos perdem.

DINHEIRO – O Brasil está preparado para a guerra comercial e para a alta dos juros nos EUA?

LEME – O Brasil está exposto. Pelo lado da guerra comercial, é um choque negativo. A fúria da guerra comercial não é necessariamente direcionada ao Brasil e o País é uma economia extremamente fechada, portanto, um choque externo via comércio internacional obviamente é negativo, mas não devastador. O que me preocupa muito mais é um aumento muito rápido dos juros, de uma reversão dos fluxos de capitais em direção aos EUA e, pior, se tiver eventualmente uma desaceleração da economia mundial, que vai encarecer o processo de ajuste necessário em 2019.

DINHEIRO – Perdemos a janela recente de calmaria no exterior?

LEME – Sim, se perdeu uma janela importantíssima, que nos deixa mais vulneráveis para 2019 e vai encarecer o processo de ajuste. Desde que haja disposição do governo, do Congresso e da população de topar um programa econômico sólido, os benefícios viriam suficientemente rápidos para compensar a dureza do curto prazo. A perspectiva poderia melhorar rapidamente.

“A maior ameaça à sustentabilidade ao crescimento americano é o próprio governo”O presidente Donald Trump exaltou crescimento de 4% no segundo trimestre (Crédito:AFP Photo)

DINHEIRO – Os assessores econômicos dos candidatos falam numa janela de seis meses para tocar o grosso do ajuste. É possível?

LEME – Acho difícil. Mesmo em situações extremas, como em 1999 e 2003 , em que teve ajustes concentrados, não se conseguiu fazer tanto em tão pouco tempo. Tem de pensar muito mais no médio e no longo prazo. A coerência e a persistência de um processo de ajuste é mais importante do que fazer de uma vez. O segredo é que os benefícios têm de vir relativamente rápidos para continuar com apoio. O ajuste que tem de fazer é da ordem de 4% do PIB. Não vai ser feito em seis meses ou um ano. Precisa de quatro anos, no mínimo. Saber dosar ajuste fiscal com retomada do crescimento vai ser a arte, mas sem apoio político, não vai funcionar. Se não tiver um debate claro e alertar a população, acho que será difícil fazer isso em 2019.

DINHEIRO – Na sua avaliação, quais são as principais medidas?

LEME – No ajuste fiscal, há uma necessidade de aumentar o esforço primário entre 4% e 4,5% do PIB. Parte disso vem através de corte de custos, principalmente no gasto com pessoal. A outra parte virá na medida em que reformas estruturais comecem a ser aprovadas, porque ajudam a balizar expectativas, atraem capital para investimentos e achatam a curva de juros. Quando se olha a curva de juros hoje, há um prêmio de risco brutal. Ou seja, o mercado financeiro acredita que vai ter um desequilíbrio fiscal crescente e uma dívida bruta explodindo para mais de 95% do PIB. Na medida em que tem um programa de ajuste, reduz esse prêmio de risco, a taxa de juros longa começa a cair e os investimentos começam a deslanchar. Outra parte importante é uma abertura comercial. Não tenho dúvida que parte do processo de retomada seria do setor externo brasileiro. Fazer uma reforma tributária também é fundamental.

DINHEIRO – Há um debate sobre a viabilidade do teto de gastos a partir de 2019. Ele se sustentará?

LEME – O teto é uma excelente medida inicial. É necessária, mas não suficiente. Se não corta o gasto primeiro, não adianta ter teto. Tem de ter uma política fiscal compatível com a geração de superávits primários e de corte de gasto para poder se enquadrar dentro do teto, se não ele desaba.

DINHEIRO – Dá tempo de tomar as medidas antes de desabar?

LEME – Dá sim, na medida em que tem um governo que arranca na direção correta em matéria fiscal. Não precisa fazer os 4% de ajuste em seis meses. A previsibilidade e o programa de médio prazo é tão importante quanto a implementação. Pode preservar o teto de gastos desde que tenha logo de cara um programa fiscal sólido. Outra coisa fundamental é incluir a parte de redução da fatia do Estado em todas as frentes. A privatização é importante não só pela produtividade como também para gerar receitas extraordinárias no curto prazo, que podem dar tempo de poder gerar superávit primário e ter uma situação fiscal viável.

  • Dólar Comercial
    R$3,76300 +0,64%
  • Euro Comercial
    R$4,29600 +0,68%
  • Dow Jones
    25.413,20 +0,49%
  • Nasdaq
    7.247,8700 0,00%
  • Londres
    7.069,62 +0,79%
  • Frankfurt
    11.326,10 -0,13%
  • Paris
    5.027,37 +0,04%
  • Madrid
    9.070,10 +0,15%
  • Hong Kong
    26.372,00 +0,72%
  • CDI Anual
    6,40% 0,00%

falsificação de relatório

Nissan acusa o brasileiro Ghosn de irregularidades e o afasta da presidência


Castello Branco aceita convite para a presidência da Petrobras

novo governo

Castello Branco aceita convite para a presidência da Petrobras

Governo divulga plano para subvenção do Seguro Rural nos próximos 3 anos

Orçamento

Governo divulga plano para subvenção do Seguro Rural nos próximos 3 anos

Estimativa para inflação cai pela quarta vez e fica em 4,13%

mercado

Estimativa para inflação cai pela quarta vez e fica em 4,13%

BC projeta que alta do PIB de 2018 permaneça em 1,36%

boletim focus

BC projeta que alta do PIB de 2018 permaneça em 1,36%

Bolsonaro repassa R$ 2 mi em emenda para Santa Casa

Presidente eleito

Bolsonaro repassa R$ 2 mi em emenda para Santa Casa


Negócios


General Mills faz sua maior aposta na marca Yoki

Aquisição

General Mills faz sua maior aposta na marca Yoki

Dona da Sapore quer fazer oferta pela IMC

Oferta

Dona da Sapore quer fazer oferta pela IMC


Mundo


Vigília pelos 77 mortos de incêndio devastador na Califórnia

tragédia

Vigília pelos 77 mortos de incêndio devastador na Califórnia

Ministro fica no governo de Israel e afasta possibilidade de eleições antecipadas

Netanyahu

Netanyahu

Ministro fica no governo de Israel e afasta possibilidade de eleições antecipadas

UE inicia semana dolorosa para aprovar projeto de acordo do Brexit

separação

separação

UE inicia semana dolorosa para aprovar projeto de acordo do Brexit

Japão tem déficit comercial bem maior do que o esperado em outubro

Economia

Economia

Japão tem déficit comercial bem maior do que o esperado em outubro


Entrevista

Johannes Roscheck, presidente da Audi no Brasil

Johannes Roscheck, presidente da Audi no Brasil

"O Mercosul só existe no papel, não é real"

O executivo austríaco defende uma abertura maior da economia, mas a ser realizada com cuidado e sem atropelos. “Nas condições atuais, a indústria simplesmente quebraria”


Economia

Escolha de Levy sinaliza período de austeridade

BNDES

Escolha de Levy sinaliza período de austeridade

Escolha de Joaquim Levy para o BNDES sinaliza período de austeridade e menor participação de instituições estatais no crédito e na economia

Uma bomba de R$ 4 trilhões para Paulo Guedes

Dívida pública

Uma bomba de R$ 4 trilhões para Paulo Guedes

Paulo Guedes tem um desafio colossal pela frente: a dívida pública que já chega a 77,3% do PIB. Economistas divergem sobre como reduzi-la, mas há um consenso: ela precisa ser paga ou o Brasil explode

O desafio do futuro ministro das Relações Exteriores

Diplomacia

O desafio do futuro ministro das Relações Exteriores

O novo titular das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, terá o desafio de brilhar na diplomacia para limar as arestas já criadas por Jair Bolsonaro com alguns dos principais parceiros comerciais do País


Mercado digital

SAP compra startup por 7 bilhões de euros mirando na Salesforce

Briga de gigantes

Briga de gigantes

SAP compra startup por 7 bilhões de euros mirando na Salesforce

A gigante alemã dos softwares compra a startup americana Qualtrics por € 7 bilhões e acirra a disputa contra a Salesforce


Negócios

Madero abre o apetite de investidores

Rede de hamburguerias

Madero abre o apetite de investidores

Depois de seis tentativas, a rede de hamburguerias finalmente conseguiu vender parte de sua operação por R$ 700 milhões para fundo dos EUA

O gim será a nova cachaça dos brasileiros?

Destilados

O gim será a nova cachaça dos brasileiros?

A bebida que caiu no gosto dos brasileiros se torna o principal ingrediente de duas das maiores empresas do mercado para expandir a venda de destilados. Há até planos de exportação

O império de Mickey está ameaçado?

Walt Disney

O império de Mickey está ameaçado?

Mickey Mouse completa 90 anos liderando as cifras bilionárias da empresa fundada por Walt Disney. Mas há um problema: daqui a cinco anos, ele cairá em domínio público


Estilo

O plano ousado da Prime You

Táxi aéreo

Táxi aéreo

O plano ousado da Prime You

Ela foi a primeira empresa brasileira a fazer compartilhamento de veículos de luxo, como jatinhos, carros esportivos e barcos. Agora, quer transformar sua frota de aviões no mais exclusivo serviço de táxi aéreo do País


Finanças


Gestora lança fundo de varejo que investirá em moedas virtuais

Bitcoin

Gestora lança fundo de varejo que investirá em moedas virtuais

Gestora lança fundo de varejo que investirá em moedas virtuais. Saiba se essa aplicação é para você

Empresas dedicadas aos usos medicinais da maconha se instalam no Brasil

Cannabis

Empresas dedicadas aos usos medicinais da maconha se instalam no Brasil

Empresas dedicadas aos usos medicinais da maconha se instalam no Brasil. A expectativa de lucros é alta, mas ainda há muita burocracia travando o mercado


Colunas


A ajuda de quem conhece

editorial

A ajuda de quem conhece

Lugar de empresa é no parque

moeda forte

Lugar de empresa é no parque

Tenha o rascunho de Da Vinci

cobiça

Tenha o rascunho de Da Vinci

O mea culpa do Google por assédios

dinheiro & tecnologia

O mea culpa do Google por assédios

Riqueza natural não é pedra no sapato

sustentabilidade

Riqueza natural não é pedra no sapato


Artigo

A presença e as lições de Stan Lee

Por Gabriel Chalita

Por Gabriel Chalita

A presença e as lições de Stan Lee

"O mundo ficou mais encantado com a vida de Stan Lee. A arte tem uma razão de ser. Eleva a consciência, aproxima o humano do humano e faz refletir. Encantados, somos capazes de mudar o mundo"


Publieditorial

Investimento atraente

Blackrock apresenta:

Blackrock apresenta:

Investimento atraente

Com boa diversidade de opções e baixo custo, os ETFs movimentam o mercado financeiro

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.