Giro

Neil Young vai processar Trump por usar suas músicas em comícios

Crédito: GETTY IMAGES/AFP/Arquivos

(Arquivo) O músico Neil Young - GETTY IMAGES/AFP/Arquivos (Crédito: GETTY IMAGES/AFP/Arquivos)

Neil Young entrará com uma ação a fim de impedir que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, use suas músicas em atos de campanha, segundo documento publicado no site do artista.

Trump pede pena de morte para autor de atentado contra maratona de Boston

A 100 dias das eleições americanas, Trump aposta na “maioria silenciosa”

O músico, 74, afirma que o presidente incorreu em violação de direitos autorais pelo uso das músicas “Rockin’ In The Free World” e “Devil’s Sidewalk” durante um comício em Tulsa, Oklahoma. “O demandante não pode permitir que sua música seja usada como tema para uma campanha divisiva, não americana, de ignorância e ódio”, diz o esboço do documento.

A ação, que busca multas de até 150 mil dólares por infração, não tem data, mas o texto indica que os advogados de Young pretendem levá-la a um tribunal federal em Nova York. O músico criticou várias vezes o uso por Trump de seus sucessos durante a campanha para as eleições presidenciais de novembro, pedindo ao presidente que deixasse de fazê-lo.

Vários artistas de renome internacional, como Pharrell Williams, Rihanna, Aerosmith e Adele, queixaram-se do uso de suas músicas por Trump. Em junho, os Rolling Stones ameaçaram empreender ações legais contra o republicano pelo uso do clássico “You Can’t Always Get What You Want” em atos de campanha.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel