Economia

NBD espera ter participantes de todas as regiões do mundo em 5 anos

Um ano depois de prever que até o fim de 2017 novos países entrariam para o Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), conhecido como o Banco dos BRICS (grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), o vice-presidente para pesquisas econômicas da instituição, Paulo Nogueira Batista, está mais reticente em fazer prognósticos. “Vamos ver”, afirmou a jornalistas brasileiros em Pequim, onde acompanha a comitiva do governo brasileiro, que fará seminários e reuniões bilaterais na cidade e depois parte para Xiamen, onde haverá a cúpula dos BRICS.

Nogueira Batista lembrou que, no ano passado, os governadores do NBD autorizaram a instituição a iniciarem conversas com países potencialmente interessados em fazer parte do banco. Em abril de 2017, aprovaram o documento que define todas as etapas de adesão que devem ser seguidas pelos novos membros. “O plano para daqui a cinco anos é ter participantes de todas as regiões do mundo. Se tornar um banco de alcance global. Para este ano, ainda está em discussão”, disse.

A intenção, de acordo com o vice-presidente, é fazer com que essa expansão ocorra de forma gradual. “Não temos condição de absorver um grande número de países novos. O banco está começando e, se entram muitos membros, não conseguiremos corresponder às expectativas dos novos entrantes”, considerou.

Sobre a sua participação nos eventos da China, Nogueira Batista informou que não haverá nenhum anúncio específico. Ele lembrou que, ontem, a diretoria aprovou quatro novos projetos (2 para a China, um para a Índia, e um para a Rússia). Na semana passada, anunciou o primeiro centro regional africano, em Johanesburgo. “O Novo Banco vai comparecer para informar o andamento do bancos para os Brics, que lançaram a ideia em 2012. É natural que os líderes queiram ser informados do andamento do banco”, avaliou.

Há, de acordo com ele, “vários” projetos em andamento, na área de infraestrutura ou em projetos considerados “puros” na área ambiental. “Mas não posso falar de nenhum porque estão em estudo e nenhum está maduro para ser anunciado agora”, despistou. Atualmente, o Banco dos Brics conta com 11 projetos no valor total de US$ 3 bilhões. O Brasil conta com uma linha de crédito de US$ 300 milhões, via Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), vinculada à energia renovável, principalmente solar e eólica.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

Tópicos

NBD participantes