“Não tem dinheiro”

“Não tem dinheiro”

Alguém precisa avisar ao presidente Jair Bolsonaro que dinheiro não dá em árvore. Ele desprezou recursos internacionais para fins de proteção ao ambiente, tripudiou de parceiros comerciais estratégicos como a China e a Liga Árabe, que colocam uma penca de recursos por aqui e, desde que assumiu, não mexeu uma palha no sentido de estimular a geração de investimento das empresas, que andam mais desconfiadas e travadas em seus projetos do que nunca. Agora passou a falar que o dinheiro acabou, que seus ministros estão apavorados, que o orçamento está estrangulado, a choradeira com a qual em parte tenta justificar a recessão batendo à porta.

No diagnóstico o capitão está correto: estudos indicam o colapso dos investimentos no Brasil. Os capitais para ampliar a produção caíram ao menor nível dos últimos 70 anos em alguns setores. Um estudo da Universidade de São Paulo (USP) mostra que a taxa de investimentos em máquinas e equipamentos, setor que alavanca a economia como um todo, desceu a um nível crítico de meros 6,1% do PIB. Na Construção Civil o índice é o pior já registrado desde 1948, da ordem de 7,5%. Não bastassem as inversões internas reduzidas, a saída de recursos internacionais da bolsa de valores acaba de alcançar o maior índice já registrado em 23 anos.

Os estrangeiros tiraram daqui cerca de R$ 19,1 bilhões entre janeiro e agosto deste ano. É fuga de capitais na veia. O pior semestre já verificado nesse sentido desde 1996. Os saques denotam fundamentalmente um temor de crise global e a procura por ativos mais seguros. De todo modo, a instabilidade econômica interna e as constantes confusões geradas pelo chefe da Nação provocaram receios adicionais no mercado. Para reagir a essa onda é fundamental o estabelecimento imediato de regras claras, a conclusão das reformas e o estímulo a um ambiente mais favorável para investimentos.

O anúncio do pacote de privatizações na semana passada foi um passo nesse sentido, mas o complexo processo de estruturação das vendas pode retardar a reação. Do mesmo modo, a MP da Liberdade Econômica, recém-aprovada, tem prazo de maturação considerado lento. Em meio ao medo global, talvez o melhor sinal para transmitir segurança aos agentes seria o do entendimento do mandatário com os poderes constituídos.

A briga em especial com o Congresso tende a aumentar as incertezas, em um efeito bola de neve. Os recentes conflitos do Governo com entidades como a Receita Federal, o Coaf e a PF também transmitiram uma péssima imagem do País, visto segundo alguns analistas como um local que não gosta de seguir as regras vigentes. Nesse caso, são necessárias mudanças de postura o quanto antes para que o dinheiro volte a brotar.

(Nota publicada na Edição 1135 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Pronampe: pedidos ao Sicoob somam R$ 500 mi em 1 dia, 41% do limite
+ Leilão tem Camaro por R$ 72 mil e Versa por R$ 22 mil
+ Gafanhotos: Bahia enfrenta nuvem de insetos
+ Modelo brasileira promete ficar nua se o Chelsea for campeão da Champions League
+ Cuide bem do seu motor, cuidando do óleo do motor
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança


Mais posts

O grande desafio do agronegocio

Na verdade, trata-se de um desafio mortal de imagem, como bem classificou o economista José Roberto Mendonça de Barros. E a questão [...]

A perda do dinheiro verde

Nos últimos dias o País foi tomado pela notícia de que o mundo não irá mais tolerar os abusos de desmatamento e queimadas praticados [...]

Cadê o dinheiro?

O Banco Central anunciou com pompa e circunstância medidas para a ampliação da oferta de crédito. Estavam ali computados nada menos que [...]

O mais lento

O Brasil deve apresentar uma retomada mais lenta do que 90% dos países afetados pela pandemia. Em outras palavras: nove em cada dez [...]

O pior dos piores

Mais um título nada honroso para a galeria de feitos econômicos do Brasil. Pelo levantamento e análise do Banco Mundial, o Brasil deve [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.