Edição nº 1057 16.02 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Ana Carla Abrão Costa, ex-secretária da Fazenda de Goiás

Não falta dinheiro no setor público. Tem um desperdício enorme

Andre Lessa/Istoe

Não falta dinheiro no setor público. Tem um desperdício enorme

Gabriel Baldocchi
Edição 14.07.2017 - nº 1027

A economista goiana Ana Carla Abrão Costa deixou a Secretaria da Fazenda do seu Estado no final do ano passado, mas não se afastou por completo do setor público. Em São Paulo, onde voltou à iniciativa privada como sócia da consultoria britânica Oliver Wyman, passou a presidir o Conselho de Gestão da Fazenda da capital paulista, após declinar o convite do prefeito João Dória Jr. para chefiar a pasta. E, como consultora, deve tocar também projetos para a administração pública. Experiência não lhe falta para atuar nas duas esferas. Sua trajetória profissional abrange passagens diversas na área financeira, no extinto Banco Brasileiro Comercial (BBC), que foi de seu pai, no Banco Central, além do banco Itaú e da consultoria Tendências. Por seu período na Fazenda goiana, no meio da pior recessão da história, Costa vê um amplo espaço para avançar na gestão estatal e tira sua impressão mais dura sobre o Brasil: “Infelizmente, o País está dominado pelas corporações” Leia a seguir a entrevista:

DINHEIRO – O Rio de Janeiro está fechando os últimos detalhes para aderir à Lei de Recuperação Fiscal. Vai resolver o problema?

ANA CARLA COSTA – A questão era tão grave que chegou num beco sem saída. O grande problema é que existe um momento – e ficamos perto disso em Goiás – quando se perde a capacidade de gerir o caixa, como foi no Rio. Os recursos são sequestrados ou pelo Tribunal de Justiça, que fala que tem de pagar os salários dos desembargadores; ou pelo Ministério Público, que fala que os promotores têm de receber auxílio-moradia; ou pelo governo federal, que tem, legitimamente, garantias. O Rio chegou nesse ponto. O governador já não tinha mais a capacidade de tentar uma saída. O Programa de Recuperação Fiscal vai devolver isso. Vai resolver? Não, porque o problema é estrutural, que vai levar muito tempo para ser resolvido. Não é prerrogativa do Rio. Todos os Estados têm problemas estruturais.

DINHEIRO – Algum outro Estado corre o risco de ser o próximo Rio de Janeiro?

COSTA – Os que claramente entraram numa situação de colapso são Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro. Podem ter outros. O calendário eleitoral infelizmente coloca uma pressão de desequilíbrio muito grande, que já começou em vários deles. Estão de novo entrando num processo de ampliação de gastos. Ou seja, podemos, sim, ter outros Estados com problemas, que vão bater no Tesouro Nacional e fazer uso da lei de recuperação, mas nada na magnitude dos três que já apareceram.

DINHEIRO – Saberia nomear quais?

COSTA – Não, porque hoje há um grande problema: as estatísticas fiscais dos Estados são pouco confiáveis. Não porque sejam feitas de forma errada. É que cada um tem o seu critério, cada tribunal de contas aceita uma forma.

DINHEIRO – Isso é bastante sério, não?

COSTA – O problema dos Estados não será resolvido enquanto não houver números comparáveis e que de fato representem a realidade. O problema hoje é apenas uma linha, a despesa com pessoal. Cada um faz a contabilidade de uma forma diferente: boa parte do que deveria estar ali, não está. Está em custeio, nos outros poderes, não há clareza. Ninguém sabe o tamanho da previdência nos Estados.

DINHEIRO – Após o impeachment, havia uma expectativa de que os tribunais de contas fossem mais rígidos.

COSTA – Não é o que está acontecendo. Em Goiás, passei dois anos pedindo que considerassem nas despesas com pessoal o Imposto de Renda Retido na Fonte e os gastos com pensionistas. O Tribunal de Contas interpreta de forma errada. Diz: retira isso. Quando colocamos todos os penduricalhos, auxílios moradia, paletó, não tenho dúvida que rompe o limite obrigatório. Na verdade, Goiás gasta 78% da receita líquida com pessoal. O limite da lei é 60%. Pedia ao TCE que alterasse essa interpretação, mas diziam não ter sentido. Ao contrário do amadurecimento que se esperava, o TCE quer se proteger. Hoje, os outros poderes [além do Executivo] são os que mais agridem a Lei de Responsabilidade Fiscal.

DINHEIRO – Deu para ter clareza sobre a previdência em Goiás?

COSTA – Não, porque a dos outros poderes só foi unificada agora. A partir de agora, é que se vai ter clareza do tamanho do déficit.

DINHEIRO – Não parece errada a visão de que a previdência é uma caixa preta nos Estados…

COSTA – Sem dúvida. Só temos certeza de uma coisa: o problema é muito grande. Não sabemos o número, mas que é muito grande, não há dúvida.

Tropa de choque em protesto de servidores públicos contra o ajuste fiscal no Rio de Janeiro (Crédito:Fernando Frazão / Agência Brasil)

DINHEIRO – A Lei de Responsabilidade falhou?

COSTA – Do ponto de vista da dívida, não. Do ponto de vista de despesa com pessoal, foi ficando obsoleta. Foi perdendo a capacidade de deixar claro que o limite era importante. Na medida em que faz de conta que está sendo cumprido, mas não está, aí os problemas começam a aparecer. O limite é para inglês ver.

DINHEIRO – O caso dos passaportes jogou luz sobre Brasília. A União pode ser o Rio de Janeiro de amanhã?

COSTA – Sempre pode. Se não fizer a reforma da Previdência, seremos todos um Rio de Janeiro amanhã. No caso dos passaportes, eu sou crítica. Quando há um contingenciamento, porque há uma meta a cumprir, o que o gestor do órgão faz. Olha e fala: de onde vou tirar o corte? De onde é absolutamente essencial. Não vou contingenciar nenhuma outra linha, mas essa aqui de passaporte. Vai faltar dinheiro e eu vou bater no Planejamento e dizer: se não fizerem suplementação orçamentária, vou parar de emitir passaporte. Em Goiás, fizemos um ajuste de R$ 3,5 bilhões num orçamento de R$ 20 bilhões. Não tem como dizer que não há espaço para cortar. É que a gestão pública no Brasil não está acostumada a cortar, a fazer gestão de custos.

DINHEIRO – Não há uma escassez de recurso de fato?

COSTA – A escassez de recurso é consequência da má gestão. Não falta dinheiro no setor público. Tem um desperdício enorme e uma alocação errada. Por quê? As corporações dominam. A grande reforma que precisa se feita é a do Estado. Há mais gente do que precisa, mais atividades do que precisa, uma máquina que consome recursos e não presta os serviços que deveria.

DINHEIRO – Seria algo como uma reforma administrativa?

COSTA – Chamo de reforma do Estado, porque vamos ter de discutir a estabilidade do servidor. Não digo acabar, mas deve haver uma forma mais eficiente de estabilidade. Tenho de poder mandar embora o auditor fiscal que é corrupto, um servidor que não trabalha.

DINHEIRO – O governo federal já chegou no limite dos cortes?

COSTA – Há espaço. Precisa fazer a gestão desse corte.

Equipe econômica do governo do presidente Michel Temer busca saídas para evitar revisar a meta de superávit fiscal deste ano (Crédito:Evaristo Sa / AFP)

DINHEIRO – A equipe econômica deveria, então, aguentar as pressões?

COSTA – É o discurso que estão fazendo, de que, se for necessário, vão cortar até despesas obrigatórias. Se não cumprir a meta, significa que o Brasil está de fato indo para o colapso, que vamos quebrar. Independentemente de mercado, a sociedade vai pagar. Ou com inflação ou com aumento de impostos.

DINHEIRO – Na sua avaliação, o governo vai aumentar impostos?

COSTA – Sim, acabará fazendo.

DINHEIRO – A senhora costuma separar o que é ideal do que é possível. O que é possível fazer hoje?

COSTA – É segurar a boca do caixa, ou seja, não deixar gastar. E essa é uma administração muito complicada porque vai exigir um desgaste da equipe econômica, que vai bater de frente o tempo todo, como está acontecendo agora com o caso da Polícia Federal.

DINHEIRO – A reforma tributária é defendida por todos, mas não avança. Como começará a tomar corpo?

COSTA – A reforma tributária está para o Brasil de hoje como o Plano Real estava para o Brasil da década de 1990. Assim como sabíamos que a inflação gerava distorções e perda de produtividade, sabemos que o sistema tributário é esquizofrênico. Precisa ser endereçada, mas não tem ambiente político. Não é uma agenda para agora.

DINHEIRO – Os governadores sempre se dizem a favor, mas quando vão negociar, resistem às mudanças.

COSTA – Há uma falta de política de desenvolvimento regional. Para Estados periféricos, como Goiás, é complicado dizer “vamos tirar o benefício de ICMS, não vamos colocar nada no lugar e ver como as coisas acontecem.” É muito arriscado. Quem me garante que as empresas não vão embora?

DINHEIRO – Qual é a solução para esse impasse?

COSTA – Alguma margem para os Estados darem incentivos vai ter de existir, mas tem de ser dentro de uma estrutura tributária que faça sentido, porque a atual criou um monstro com 27 legislações diferentes. E, sinceramente, eu que vim de Goiás, que é sem dúvida o mais ativo em incentivos fiscais, confesso que tem situações em que olho e claramente falo que passou do limite. Não tem avaliação de impacto e não tem mais clareza de quanto é um incentivo necessário para atrair uma empresa e mantê-la lá e quanto é leilão, quanto é aumento de margem. No fundo, está todo mundo perdendo.

DINHEIRO – O projeto de renegociação das dívidas dos Estados não era uma oportunidade para iniciar esse avanço?

COSTA – Tentamos. Ficamos bem próximo de resolver, de uma forma meio atabalhoada, mas pelo menos convergir as alíquotas. Aí veio a crise e os Estados entraram num colapso, que tirou o foco, porque ninguém queria mais saber de ICMS, só de pagar a folha de pagamentos. A discussão se perdeu e agora ficou mais complicada porque o projeto de convalidação [perdão] dos incentivos está sendo aprovado. O problema é que, infelizmente, estamos na mão das corporações e aqui estamos falando de um lobby pesado. Infelizmente, o País está dominado pelas corporações.

DINHEIRO – Como a senhora imagina que deveria ser o debate econômico na campanha presidencial de 2018?

COSTA – Certamente devemos ter aprendido alguma coisa com a campanha de 2014. Espero e acredito que será um debate mais claro, de apresentar qual é a agenda, seja de uma reforma política, tributária, uma reforma de Estado… Já estou botando a da Previdência em 2019 (risos). Vai ser uma eleição binária. Tem agendas muito claras, uma mais populista, de baixar juro à força, dar subsídio, fazer política industrial… E vai ter uma agenda responsável e dura. Vai ser uma eleição que vai determinar que caminho tomaremos, o da continuidade das reformas ou de volta ao atraso que vivemos nos últimos anos.

  • Dólar Comercial
    R$3,25100 +0,46%
  • Euro Comercial
    R$4,01580 +0,01%
  • Dow Jones
    25.082,30 -0,54%
  • Nasdaq
    7.254,4100 +0,21%
  • Londres
    7.239,53 -0,11%
  • Frankfurt
    12.465,10 +0,64%
  • Paris
    5.290,72 +0,66%
  • Madrid
    9.897,20 +0,93%
  • Hong Kong
    30.873,60 -0,78%
  • CDI Anual
    6,64% 0,00%

Sem Previdência

Plano B do governo inclui venda da Eletrobrás e autonomia do Banco Central


Câmara aprova decreto sobre intervenção no Rio; matéria segue para o Senado

Rio de Janeiro

Câmara aprova decreto sobre intervenção no Rio; matéria segue para o Senado

“O setor financeiro no Brasil tem muitos problemas, principalmente do ponto de vista do consumidor”

Entrevista

“O setor financeiro no Brasil tem muitos problemas, principalmente do ponto de vista do consumidor”

Intervenção no Rio motivou 600 mil menções no Twitter

Rio de Janeiro

Intervenção no Rio motivou 600 mil menções no Twitter

Pérsio Arida fará Plano econômico de Alckmin

Eleições

Pérsio Arida fará Plano econômico de Alckmin

Governo reconhece lobby como profissão no País

Política

Governo reconhece lobby como profissão no País


Artigo

Como a Inteligência Artificial vai transformar o agronegócio

Por Britaldo Hernandez Fernandez

Por Britaldo Hernandez Fernandez

Como a Inteligência Artificial vai transformar o agronegócio

Na revolução digital agrícola em curso, a Inteligência Artificial (AI) promete ocupar papel de destaque, com impacto em toda a cadeia do agronegócio


Negócios


Ultra corre para aprovar compra da Liquigás e evitar multa de R$ 280 milhões

Conglomerado

Ultra corre para aprovar compra da Liquigás e evitar multa de R$ 280 milhões

Aviação

Anac libera 28 voos mistos da Gol entre Brasil e Estados Unidos

Varejo

Walmart tem queda no lucro líquido a US$ 2,18 bi no 4º trimestre fiscal

Bancos

HSBC tem salto no lucro de 2017, a US$ 9,68 bilhões


TV Dinheiro


Descomplicando a Economia comenta o impacto econômico da violência no Rio

Análise

Descomplicando a Economia comenta o impacto econômico da violência no Rio

Dinheiro na Semana debate como combater a corrupção empresarial

Compliance

Dinheiro na Semana debate como combater a corrupção empresarial


Economia


Em 15 anos, governo federal retém R$ 31 bilhões em gastos para saúde

Saúde pública

Em 15 anos, governo federal retém R$ 31 bilhões em gastos para saúde

Câmbio

Dólar sobe com exterior em meio à espera de corte de rating do Brasil

Juros

Taxas de juros têm viés de alta com dólar e juro de Treasuries

Pesquisa

Projeção do Focus para Selic no fim de 2018 segue em 6,75% ao ano


Mundo


Venezuela inicia pré-venda de moeda virtual

Criptomoeda

Venezuela inicia pré-venda de moeda virtual

Serge Brunschwig assume comando da Fendi

Grupo LVMH

Serge Brunschwig assume comando da Fendi

Universidade cria jogo sobre ‘fake news’ para combater desinformação

Educação

Universidade cria jogo sobre ‘fake news’ para combater desinformação

Ex-colaboradores de Netanyahu são detidos em caso de corrupção

Investigação

Ex-colaboradores de Netanyahu são detidos em caso de corrupção

Turquia anuncia cerco à cidade síria de Afrin nos próximos dias

Tensão

Turquia anuncia cerco à cidade síria de Afrin nos próximos dias


Entrevista

O impacto do blockchain sobre a economia brasileira será imenso

Don Tapscott, autor de "Blockchain Revolution"

Don Tapscott, autor de "Blockchain Revolution"

O impacto do blockchain sobre a economia brasileira será imenso

Don Tapscott começou a escrever sobre tecnologia nos anos 1980, e, em 1995, publicou seu bestseller A Economia Digital. Duas décadas mais tarde, ele voltou às manchetes, com a publicação de Blockchain Revolution


Mercado Digital


Amazon começa a reforçar operação própria no Brasil

Só sorrisos

Amazon começa a reforçar operação própria no Brasil

Depois de chegar de forma tímida ao Brasil, a gigante global do comércio eletrônico negocia quadruplicar seu centro de distribuição e começa a reforçar sua operação própria

Facebook vive novo calvário com saída de anunciantes

Martírio

Facebook vive novo calvário com saída de anunciantes

A Unilever, um dos maiores anunciantes do mundo, ameaça deixar de investir na rede social de Mark Zuckerberg e evidencia a crise pela qual a empresa passa com a disseminação de notícias falsas


Negócios

O que a HP está fazendo para mudar sua imagem

Além da primeira impressão

Além da primeira impressão

O que a HP está fazendo para mudar sua imagem

Quando a HP separou suas operações, a área de PCs e de impressoras era considerada o patinho feio. Dois anos depois, tudo mudou para a companhia


Economia


Setor elétrico desponta como a nova joia da coroa

Choque de Investimentos

Setor elétrico desponta como a nova joia da coroa

Com boa oferta de ativos e avanço na regulação, o setor elétrico desponta como o novo “queridinho” dos investidores estrangeiros no Brasil

Como a violência está minando a economia do Rio

Caos

Como a violência está minando a economia do Rio

A intervenção federal na segurança pública é a última esperança de salvar o Rio de Janeiro. A violência está minando a economia local e agravando o quadro social

Brasil abre as portas a refugiados venezuelanos

Bandeira verde

Brasil abre as portas a refugiados venezuelanos

Brasil decreta “emergência social” para receber 18 mil refugiados em Roraima

A difícil missão de Powell, novo presidente do FED

Estados Unidos

A difícil missão de Powell, novo presidente do FED

Diferente de seus antecessores, o novo presidente do banco central americano terá de reduzir o ritmo da economia sem colocar seu país (e o resto do mundo) de novo em crise

Há tempo para uma alternativa ao Brexit?

Reino Unido

Há tempo para uma alternativa ao Brexit?

Enquanto a primeira ministra Theresa May direciona seus esforços para a China, o megainvestidor George Soros tenta impedir a separação entre o Reino Unido e a União Europeia


Finanças


Paraná Banco volta suas forças para o crédito consignado

Um negócio só

Paraná Banco volta suas forças para o crédito consignado

Para se diferenciar dos concorrentes, o Paraná Banco fez uma revisão de sua estratégia, decidiu voltar às origens e focar apenas no crédito consignado

Juros e crescimento da economia abrem caminho para os lucros

Aceleração

Juros e crescimento da economia abrem caminho para os lucros

Juros baixos e expectativa de crescimento da economia incentivam os ganhos dos fundos imobiliários. Saiba o que os especialistas recomendam


Estilo

Por que falar bem é tão importante nos negócios

Força da oratória

Força da oratória

Por que falar bem é tão importante nos negócios

Tanto para fechar novos acordos quanto para causar uma boa impressão pessoal, executivos investem na arte da oratória e da influência


Colunas


A necessária igualdade na Previdência

Editorial

A necessária igualdade na Previdência

Bolsonaro come pelas beiradas

Moeda Forte

Bolsonaro come pelas beiradas

A força da vitamina c

Sustentabilidade

A força da vitamina c

Um trimestre para sorrir

Dinheiro & Tecnologia

Um trimestre para sorrir

Niemeyer e Véio são destaque em Milão

Cobiça

Niemeyer e Véio são destaque em Milão

Trump pode afundar os EUA e o mundo

Por Luís Artur Nogueira

Por Luís Artur Nogueira

Trump pode afundar os EUA e o mundo

O maior equívoco de Trump foi estimular a economia num momento de forte crescimento. Isso pode obrigar o Federal Reserve, sob o comando de Jerome Powell (à dir.), a elevar os juros várias vezes para controlar a inflação

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.