Edição nº 1130 19.07 Ver ediçõs anteriores
A infraero desenha os planos de investimentos em infraestrutura para depois de 2022, quando os terminais já não estiverem sob o guarda-chuva da empresa

Entrevista

Martha Seillier, presidente da Infraero

Não adianta privatizar os aeroportos se não houver investimento em infraestrutura

Wenderson Araujo

Não adianta privatizar os aeroportos se não houver investimento em infraestrutura

A estatal desenha os planos para depois de 2022, quando os terminais já não estiverem sob o guarda-chuva da empresa

Valéria Bretas
Edição 10/05/2019 - nº 1120

Primeira mulher a exercer o cargo de presidente da Empresa de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), Martha Seillier enfrenta o desafio de convencer o governo federal de que as atividades realizadas pelo órgão vão além da administração de aeroportos. Nessa entrevista à DINHEIRO, a executiva formada em Direito e com pós-graduação em Economia explica a estratégia da estatal para continuar existindo mesmo após a sinalização contrária dada pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes.

Na quarta-feira 8, o ministério divulgou que, além das 22 privatizações previstas na próxima rodada de concessão, irá alienar as participações da Infraero em Guarulhos, Brasília, Galeão e Confins. Segundo Martha, ainda que todos os aeroportos sejam transferidos para a iniciativa privada, o poder público não pode se eximir da infraestrutura aeroportuária. “Existem mais de 500 aeroportos regionais que são ativos importantes para o desempenho do setor, mas recebem pouco investimento do governo”, diz ela.

DINHEIRO – O presidente Jair Bolsonaro sinalizou a intenção de extinguir a Infraero. Qual é a sua visão sobre isso?

MARTHA SEILLIER – A extinção foi citada no início do atual governo no sentido de conceder todos os aeroportos operados pela nossa rede para a iniciativa privada. Na época, a dúvida era sobre qual seria o papel do órgão depois disso. O que a gente tem conversado com o governo e com o próprio ministro de infraestrutura, Tarcísio Gomes, é que a empresa vai continuar desempenhando uma função muito importante no desenvolvimento da infraestrutura nacional. Não adianta apenas privatizar os aeroportos da Infraero se o poder público fechar as portas para o investimento. Temos vários aeroportos regionais que não têm conseguido se desenvolver, que estão carentes de investimento e manutenção. Como é que o governo pode abrir mão da Infraero, que tem forte experiência e dedicação ao setor? É esse reposicionamento que a gente tem reforçado.

DINHEIRO – Na hipótese de os 53 aeroportos operados pela Infraero serem privatizados, o que acontece com os funcionários da estatal?

SEILLIER – Estamos desenvolvendo programas de demissão incentivada. Só neste ano, a gente já disponibilizou 80 vagas desse tipo e abrimos agora mais 700. Outro programa que também temos avançado é o de cessão. Como temos funcionários de diferentes formações e capacidades, incentivamos que eles sejam direcionados para outros órgãos com dificuldades para repor equipes.

“Como é que o governo pode abrir mão da Infraero, que tem forte experiência e dedicação ao setor?” No início do governo, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes, afirmou que o futuro da estatal estaria comprometido após a privatização de todos os aeroportos operados por ele (Crédito:Marcelo Camargo/Agência Brasil )

DINHEIRO – Qual é o principal papel social da Infraero como empresa pública?

SEILLIER – A Infraero é uma empresa que processa mais de 80 milhões de passageiros por ano e exerce um papel muito importante em toda a operação de aeroportos, sejam eles grandes, médios ou pequenos. Temos discutido muito sobre o futuro da companhia tendo em vista as concessões de aeroportos. O plano é reposicionar a empresa para que, depois de 2022, ela tenha uma atuação mais estratégica naquilo que o mercado atual não tem tanto interesse. A Infraero voltaria a focar esforços nos locais ainda embrionários e em desenvolvimento. Hoje existem mais de 500 aeroportos regionais que são ativos importantes para o desempenho do setor, mas que recebem pouco investimento. Vamos atuar para que esses aeroportos menores alcancem patamares maiores e se tornem atrativos para a iniciativa privada.

DINHEIRO – E como vai ser a atuação nos aeroportos menores?

SEILLIER – Estamos em contato com empresas aéreas — como a Azul, por exemplo — que têm um perfil de rotas mais regional. Muitas vezes elas questionam se nós não poderíamos operar alguns aeroportos onde há demanda e interesse, mas que a infraestrutura não está adequada. Vários aeroportos brasileiros têm potencial de ofertar voos regulares e um mercado local que justificaria a abertura de rotas, mas a estrutura não comporta, seja por algum problema na pista, sinalização, terminal de passageiros ou a própria operação. Quando você abre voos regulares para cidades que estão com uma matriz econômica enfraquecida, há a possibilidade de atrair mais indústrias e serviços. Há muito trabalho a ser feito com infraestrutura por parte do governo.

DINHEIRO – Então o modelo de concessão por blocos é a melhor alternativa para desenvolver os aeroportos de menor porte?

SEILLIER – Esse modelo foi uma evolução. Foi uma solução bem-vinda diante da dificuldade de conseguir desenvolver infraestrutura aeroportuária nos terminais menores.

DINHEIRO – Há tempos o governo discute a intenção de construir um terceiro aeroporto em São Paulo. Você acredita que há uma saturação?

SEILLIER – Esse é um trabalho que é feito pela Secretaria de Aviação Civil. Mas de fato há uma discussão sobre avaliar o crescimento da demanda em São Paulo tendo em vista que Congonhas está com operações limitadas e com dificuldades para crescer. Existem também algumas exigências contratuais no aeroporto de Guarulhos que não impedem a construção de uma nova pista. A grande dúvida é o que fazer depois que esses dois aeroportos tiverem saturados. É lógico que existe a opção de Campinas, com uma infraestrutura que ainda pode ser utilizada, mas, por ser um pouco distante, ainda se justificaria ter mais um aeroporto em São Paulo. Isso é algo que precisa ser discutido nos estudos de planejamento do setor.

DINHEIRO – De que forma a suspensão do leilão da Avianca na última semana impacta no futuro da companhia?

SEILLIER – A gente tem acompanhado de perto a questão da Avianca, mas pelas operações dos nossos aeroportos. É algo bem indesejável, não apenas pela questão financeira que a companhia tem enfrentado, mas também devido ao mercado de aviação civil que fica cada vez mais concentrado no Brasil. Hoje temos apenas quatro empresas relevantes atuando no setor. A saída da Avianca só intensifica essa concentração que não é benéfica para os passageiros. Na prática, já temos observado o aumento do preço dos bilhetes por uma questão óbvia de oferta e demanda.

DINHEIRO – A decisão do governo federal de retirar as barreiras para a entrada de capital estrangeiro no setor pode ajudar?

SEILLIER – Acho que o governo federal fez muito bem em encaminhar essa MP para o Congresso. Hoje, ela se mostra ainda mais importante porque temos o contexto do fechamento de uma companhia aérea importante para o País. Ou seja, é uma porta de entrada no mercado, antes muito fechado, para que outras empresas possam olhar para o Brasil. Temos apoiado essa medida provisória.

DINHEIRO – Existe espaço para a entrada de novas companhias?

SEILLIER – Com certeza. Em países como os Estados Unidos, por exemplo, há uma grande quantidade de empresas aéreas atuando juntas. O nosso mercado realmente está muito concentrado. Se você considerar que uma nova companhia teria prioridade na locação dos slots do aeroporto de Congonhas em relação às empresas que já atuam no mercado local… só isso já é um atrativo importante. Ela conseguiria trabalhar nos aeroportos menores, que não estão bem atendidos, mas também entrar em uma infraestrutura muito disputada, como Congonhas.

DINHEIRO – A Infraero conseguiu reduzir parte do seu prejuízo nos últimos anos. A operação financeira da empresa é sustentável atualmente?

SEILLIER – Há vários anos, o órgão tem feito um grande esforço de redução de custos e de incremento das receitas. Tudo isso gerou uma redução relevante do prejuízo. O balanço deste ano foi importante e com resultados positivos. Hoje, as nossas receitas superam as nossas despesas, mas ainda recebemos recursos do governo para conseguir investir em infraestrutura, expansão e obras. O patrimônio e os aeroportos não são da Infraero, são da União.

“O governo fez muito bem em permitir que empresas estrangeiras venham com recursos de fora para operar no Brasil” Segundo Martha, a flexibilidade é relevante para um cenário fortemente concentrado, especialmente depois dos problemas da Avianca (Crédito:Bruno Rocha /Fotoarena/Folhapress)

DINHEIRO – Quais foram as principais ações desde que assumiu o cargo e que foram relevantes para atingir esses resultados?

SEILLIER – A primeira e mais importante foi a revisão do plano estratégico da empresa alinhado com o planejamento do governo federal para o setor. Antes, a Infraero trabalhava em uma estratégia de abertura de capital e de venda de participação minoritária, o que é bem diferente da atual proposta de transferir 100% dos aeroportos para a iniciativa privada. Foi importante rever tudo isso no sentido de entender a política pública e se adequar a ela. Nós temos três grandes nortes. O primeiro deles é manter a estabilidade econômica e continuar nesse esforço de racionalizar custos. O segundo é garantir que todos os aeroportos da nossa rede sejam operados com excelência e segurança. O terceiro é garantir que as transições aconteçam de maneira suave para os nossos funcionários.

DINHEIRO – Quais são seus planos até o fim do seu mandato?

SEILLIER – Fizemos uma listagem com todos os investimentos importantes por parte da Infraero. A segurança é a nossa prioridade número um. Em segundo lugar, finalizar as obras que estão em curso. Afinal, obra paralisada é o pior investimento que existe. E, finalmente, a expansão de terminais críticos. Para este ano, priorizamos a expansão de Montes Claros (MG), Uberlândia (MG), Foz do Iguaçu (PR), Campo Grande (MS) e Navegantes (SC). É claro que nós gostaríamos de fazer muito mais, mas com o orçamento que temos, e com as prioridades que desenhamos, é isso o que estamos focando em 2019.

renda extra

Bolsonaro: Acredito que anúncio do FGTS vai ser na quarta-feira


Disputa acirrada no mercado de pagamentos de pedágios

guerra das cancelas

Disputa acirrada no mercado de pagamentos de pedágios

A chegada de novas concorrentes acirra a competição no mercado de pagamento automático de pedágios. E a disputa muito vai além das rodovias

Bilionário brasileiro se muda para Roraima para ajudar refugiados

Carlos Wizard

Bilionário brasileiro se muda para Roraima para ajudar refugiados

O bilionário brasileiro que construiu um império com escolas de idiomas, lanchonetes fast food e rede de produtos naturais vive na fronteira com a Venezuela para salvar refugiados da miséria e do desemprego. DINHEIRO acompanhou seu trabalho humanitário em Roraima

A cadeira do meio do avião deixará de ser tão ruim com uma simples mudança

novo design

A cadeira do meio do avião deixará de ser tão ruim com uma simples mudança

Movendo a cadeira do meio levemente para baixo e para trás, o estúdio de design Molon Lab Seating conseguiu resolver um dos maiores problemas da aviação comercial

Bolsonaro diz não ter conversado com Trump sobre navios iranianos

diplomacia

Bolsonaro diz não ter conversado com Trump sobre navios iranianos

Com crise econômica, previdência privada vive estagnação

aposentadoria

Com crise econômica, previdência privada vive estagnação


Dinheiro e Tecnologia


Todos de olho em Zuckerberg e na sua criptomoeda, a Libra

moeda virtual

Todos de olho em Zuckerberg e na sua criptomoeda, a Libra

Parlamentares e autoridades econômicas nos Estados Unidos e na Europa e não curtiram a Libra, criptomoeda do Facebook que pode abalar as finanças globais

Cafeterias apostam no modelo store in store

negócios

Cafeterias apostam no modelo store in store

Consumindo quase nove vezes a média mundial, o Brasil se torna um mercado cada vez mais relevante para os negócios que envolvem a bebida. Para reduzir custos e diversificar o público, cafeterias apostam no modelo “store in store”


Internacional


Importadores chineses pedem anulação de tarifas sobre produtos agrícolas dos EUA

guerra comercial

Importadores chineses pedem anulação de tarifas sobre produtos agrícolas dos EUA

Agressões a manifestantes agravam crise em Hong Kong

protestos

protestos

Agressões a manifestantes agravam crise em Hong Kong

EUA acusam Venezuela de agressão contra avião

tensão

tensão

EUA acusam Venezuela de agressão contra avião

FMI e Banco Mundial buscam renovação 75 anos após fundação

novos gestores

novos gestores

FMI e Banco Mundial buscam renovação 75 anos após fundação


Negócios

Disputa acirrada no mercado de pagamento de pedágios

Novas concorrentes

Disputa acirrada no mercado de pagamento de pedágios

A chegada de novas concorrentes acirra a competição no mercado de pagamento automático de pedágios. E a disputa muito vai além das rodovias

Flip: o caminho das pedras para os livros

alternativas ao mercado

Flip: o caminho das pedras para os livros

Enquanto o mercado amarga uma queda de 27% em 10 anos, eventos literários como a Flip garantem um “selo de qualidade” junto aos leitores e mostram uma alternativa ao grande varejo

Cafeterias apostam no modelo “store in store”

diversificação

Cafeterias apostam no modelo “store in store”

Consumindo quase nove vezes a média mundial, o Brasil se torna um mercado cada vez mais relevante para os negócios que envolvem a bebida. Para reduzir custos e diversificar o público, cafeterias apostam no modelo “store in store”


Entrevista

Lucas Ferraz, Secretário de Comércio Exterior

Lucas Ferraz, Secretário de Comércio Exterior

"Não trabalhamos com uma ruptura significativa das taxas de crescimento da China"

Um dos responsáveis por destravar o acordo entre o Mercosul e a União Europeia, o economista fala sobre as vantagens de integrar o País com o comércio global


Mercado Digital


Homem na Lua é um fenômeno cultural mais que de engenharia

Pouso tripulado

Homem na Lua é um fenômeno cultural mais que de engenharia

Os 50 anos do primeiro pouso tripulado marcam mais que uma conquista espacial. chegar à Lua definiu nossa época e tudo o que entendemos por tecnologia e cultura digital

Google e Facebook entram na lista de veículos de comunicação

inovação

Google e Facebook entram na lista de veículos de comunicação


Editorial

Os empresários e o imposto único

por celso masson

por celso masson

Os empresários e o imposto único

Em tese, o imposto único amplia a base de arrecadação e reduz as brechas para a sonegação, por ser compulsório e incidir automaticamente sobre toda e qualquer movimentação financeira. Lembrou da CPFM? É parecido. Só que, desta vez, pelo menos segundo a visão de seus proponentes, não se trata de apenas mais uma contribuição – e sim da única


Semana

Senador dos EUA pede investigação do FBI sobre app FaceApp

Senador dos EUA pede investigação do FBI sobre app FaceApp


Economia

Uma reforma, muitos projetos

revisão de impostos

revisão de impostos

Uma reforma, muitos projetos

Considerado o principal tema para melhorar a competitividade do Brasil, a revisão dos impostos é alvo de uma disputa por protagonismo de ao menos quatro autores


Finanças


Conversa ao pé do ouvido no BNDES

nova gestão

Conversa ao pé do ouvido no BNDES

Gustavo Montezano assume o banco prometendo reduzir seu tamanho e seu escopo de atuação

Todos de olho em Zuckerberg

libra

Todos de olho em Zuckerberg

Parlamentares e autoridades econômicas nos Estados Unidos e na Europa e não curtiram a Libra, criptomoeda do Facebook que pode abalar as finanças globais


R$ 29,3 bilhões

ofertas primárias

R$ 29,3 bilhões

Os bancos vão às compras

recompra de ações

Os bancos vão às compras

Na tentativa de atrair a atenção do mercado e apostando na valorização a posterior, instituições financeiras estão recomprando parte de suas próprias ações


Estilo

Ducati: la più bella del mondo

luxo

luxo

Ducati: la più bella del mondo

Famosa por suas motos arrojadas e estilosas, a fabricante italiana ganha uma legião de fãs no Brasil, onde as vendas cresceram mais de 30% neste primeiro semestre


Colunas


Bem-estar contra o turnover

Moeda Forte

Bem-estar contra o turnover

Fim da fila em empreendedorismo feminino

Dinheiro em Bits

Fim da fila em empreendedorismo feminino

Em 2018, 20 milhões de crianças não foram vacinadas

Sustentabilidade

Em 2018, 20 milhões de crianças não foram vacinadas

Porto sobre trilhos

Cobiça

Porto sobre trilhos

Vale define indenização a famílias das vítimas de Brumadinho

Dinheiro em Ação

Vale define indenização a famílias das vítimas de Brumadinho


Artigo

A ilusão de 30 milhões valerem mais que 30 mil

por vinícius picollo

por vinícius picollo

A ilusão de 30 milhões valerem mais que 30 mil

Para as marcas, as redes sociais são um excelente caminho para aproximação com o público. Elas precisam conquistar cada consumidor e fazê-lo se sentir parte daquilo, envolvê-lo em uma narrativa, criando o cenário ideal para que ele as divulgue espontaneamente em sua rede


Publieditorial XP Investimentos

Descubra a maior cidade da América Latina

São Paulo

Descubra a maior cidade da América Latina

Facilidade de acesso e variedade de opções de transporte complementam os diferenciais do Centro de Convenções

Saiba como chegar ao Transamerica Expo Center

Mobilidade

Saiba como chegar ao Transamerica Expo Center

Facilidade de acesso e variedade de opções de transporte complementam os diferenciais do Centro de Convenções

Dicas de hospedagem, diversão e serviços próximos ao Transamerica Expo Center

Turismo

Dicas de hospedagem, diversão e serviços próximos ao Transamerica Expo Center


Publieditorial

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Digital Agro apresenta:

Digital Agro apresenta:

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Entre 11 e 13 de junho, feira voltada à tecnologia no campo vai discutir integração de soluções para aumento de resultados

Plataforma Robbyson: uma nova forma de gerir, reconhecer e engajar para bons resultados

Robbynson apresenta:

Robbynson apresenta:

Plataforma Robbyson: uma nova forma de gerir, reconhecer e engajar para bons resultados

Tenho um bom número de pessoas para gerir, muitos deles são Millennials, conectados, ágeis, com universo e linguagens próprios. E agora?


Artigo

É hora de dar um gás!

Por Milton Rego, presidente da Abal

Por Milton Rego, presidente da Abal

É hora de dar um gás!

"O setor elétrico brasileiro já foi considerado um dos mais eficientes do mundo. Mas isso ficou no passado. O resultado desse desarranjo é que o preço da energia elétrica responde hoje por mais de 60% do custo da etapa primária de produção do alumínio"

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.