Edição nº 1108 15.02 Ver ediçõs anteriores

Nadella nas nuvens

Nadella nas nuvens

A Microsoft obteve mais um sinal de que tomou a decisão correta ao diversificar seus negócios em vez de apostar somente no sistema operacional Windows. Na sexta-feira 20, as ações da desenvolvedora americana valorizaram 5% e foram negociadas pelo valor recorde de US$ 108,20 cada. Com isso, a companhia comandada pelo CEO Satya Nadella viu seu valor de mercado aumentar US$ 30 bilhões e terminar a semana em US$ 832 bilhões. A alta nas ações foi impulsionada pelos bons resultados financeiros da companhia no segundo trimestre do ano. Entre os meses de maio e junho, a Microsoft aumentou sua receita bruta em 17%, faturando US$ 30,1 bilhões. Principal aposta da empresa, os serviços em nuvem tiveram um salto de 53% em relação ao mesmo período do ano passado, gerando uma receita de US$ 6,9 bilhões no trimestre.

(Nota publicada na Edição 1080 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Spotify quer ser o YouTube do som

Ao comprar a produtora Gimlet Media, que abriga podcasts populares como Reply All e Science Vs, e o aplicativo e plataforma Anchor, um [...]

O novo pediatra de seu filho se chamará IA

Equipe de pesquisadores, a maioria vinculada a instituições de China e Estados Unidos, publicou na segunda-feira 11 na revista [...]

Incubadora de curtas-metragens da Pixar nasce arrebentando

Há um mês, no dia 18 de janeiro, a Pixar lançou oficialmente seu projeto que muito se assemelha a uma incubadora de startups, o [...]

“Primeiro, melhor e obrigatório”

Shawn Layden, chefão da área de games da Sony, dando a receita para o predomínio da empresa (Nota publicada na Edição 1108 da Revista [...]

Inteligência artificial sob olhar dos CEOs

(Nota publicada na Edição 1108 da Revista Dinheiro)
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.