Edição nº 1087 14.09 Ver ediçõs anteriores

Nadella nas nuvens

Nadella nas nuvens

A Microsoft obteve mais um sinal de que tomou a decisão correta ao diversificar seus negócios em vez de apostar somente no sistema operacional Windows. Na sexta-feira 20, as ações da desenvolvedora americana valorizaram 5% e foram negociadas pelo valor recorde de US$ 108,20 cada. Com isso, a companhia comandada pelo CEO Satya Nadella viu seu valor de mercado aumentar US$ 30 bilhões e terminar a semana em US$ 832 bilhões. A alta nas ações foi impulsionada pelos bons resultados financeiros da companhia no segundo trimestre do ano. Entre os meses de maio e junho, a Microsoft aumentou sua receita bruta em 17%, faturando US$ 30,1 bilhões. Principal aposta da empresa, os serviços em nuvem tiveram um salto de 53% em relação ao mesmo período do ano passado, gerando uma receita de US$ 6,9 bilhões no trimestre.

(Nota publicada na Edição 1080 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O inferno astral de Elon Musk não tem fim?

O empresário Elon Musk vive um inferno astral que parece não ter fim. Nos últimos meses, o fundador da Tesla tem recebido mais atenção [...]

Placa inteligente

O Rio de Janeiro será o primeiro Estado brasileiro a adotar às novas placas veiculares no padrão do Mercosul. Além de ser visualmente [...]

Estilo hi-tech

(Nota publicada na Edição 1087 da Revista Dinheiro)

Se a moda pega…

A operadora NET foi condenada a pagar duas indenizações, de R$ 5 mil cada uma, para ex-clientes que processaram a companhia por conta de problemas com a estabilidade e a velocidade dos planos de internet fixa contratados. As ações alegam que a empresa não cumpriu com as regras da Agência Nacional de Telecomunicações, que estipula […]

Reforço nos chips

A Intel está impulsionando a sua produção de processadores. Na segunda-feira 10, a companhia americana anunciou a aquisição da startup [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.