Giro

Na ONU, EUA acusa Moscou de evitar que Síria seja responsabilizada por armas químicas

Na ONU, EUA acusa Moscou de evitar que Síria seja responsabilizada por armas químicas

(ARQUIVOS) Nesta foto de arquivo a embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, Linda Thomas-Greenfield, e a presidente do Conselho de Segurança fala durante uma entrevista coletiva para o programa de trabalho do Conselho de Segurança em março na Sede da ONU em Nova York em 1º de março, 2021.O novo enviado dos EUA às Nações Unidas em 4 de março de 2021 acusou a Rússia de tentar impedir os esforços para responsabilizar o governo do líder sírio Bashar al-Assad pelo uso de armas químicas durante sua longa guerra civil. - AFP/Arquivos

A Rússia “bloqueou todos os esforços para tentar” responsabilizar a Síria pelo uso de armas químicas, acusou a embaixadora dos EUA na ONU, Linda Thomas-Greenfield, nesta quinta-feira (4), durante uma reunião do Conselho de Segurança por videoconferência.

“Todos nós sabemos que o governo [de Bashar al-Assad] usou armas químicas repetidamente. Então, por que o governo sírio não foi responsabilizado?”, perguntou a embaixadora.

“Infelizmente, a resposta é simples. O governo de Assad tentou evitar a responsabilização obstruindo investigações independentes e minando o papel e o trabalho da OPAQ (Organização para a Proibição de Armas Químicas)”, acrescentou Thomas-Greenfield, em sua primeira reunião na Síria no Conselho de Segurança.

“E os aliados do governo, incluindo a Rússia, também tentaram bloquear todos os esforços para responsabilizar o governo sírio”, disse ela.

“A Rússia defendeu o governo de Assad apesar de seus ataques com armas químicas, atacou o trabalho profissional da OPAQ e dificultou os esforços para responsabilizar o governo de Assad pelo uso de armas químicas e inúmeras outras atrocidades”, insistiu a diplomata.

Seu colega russo, Vassily Nebenzia, respondeu ironicamente sobre uma declaração da americana no início da sessão, na qual pedia que as intervenções fossem breves.

“Sempre tentamos ser breves, mas nem sempre é possível”, disse ele, antes de dar “um breve e útil resumo histórico das deliberações no Conselho” para a recém-chegada embaixadora dos Estados Unidos.

Além disso, Nebenzia defendeu Damasco: “Seguindo o conselho da Rússia, a Síria cumpriu (o acordo da) OPAQ de boa fé e se desfez de seu arsenal de armas químicas”, uma alegação recebida com ceticismo no Ocidente.

De acordo com a ONU, Damasco ainda não respondeu as 19 perguntas feitas nos últimos anos sobre as instalações que poderíam ter sido usadas na produção ou armazenamento de armas químicas.

A organização internacional já acusou a Síria de ataques químicos no passado.

O país do Oriente médio nega toda as acusações dos países ocidentais.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel