Na Inglaterra, o futuro da mobilidade

Na Inglaterra, o futuro da mobilidade

Há países em que o futuro chega. Tipo, a Inglaterra. Um projeto intitulado Midlands Future Mobility (MFM) vai equipar uma rede de 160km – chegará a mais de 300km – para promover testes em situações reais de trânsito para veículos autoconduzidos. “Isso ajudará a criar um cluster para organizações e empresas relacionadas ao segmento CAM (Connected and Automated Mobility)”, diz em comunicado a TfWM (Transport for West Midlands), autoridade de transporte da região. Inicialmente, a rede vai conectar Birmingham, Coventry, Solihull e Warwickshire e será otimizada para coletar dados, medir a interação do público e monitorar de forma
constante as tecnologias adotadas. Será um grande laboratório em tempo real da indústria de automóveis e da mobilidade.

Num primeiro momento, os veículos autônomos terão condutores e apenas com o avanço dos testes eles serão autoconduzidos. Mas mesmo nesta fase haverá uma pessoa a bordo para assumir o controle em situações de emergência. Participam da iniciativa entidades privadas, governo e universidades. O projeto deve fazer receita aceitando parcerias de todos os portes em duas vertentes: ações virtuais ou reais. No descritivo oficial do projeto os testes físicos públicos são oferecidos com “monitoramento inteligente, a mais recente conectividade sem fio e completa rede de suporte”, enquanto os experimentos virtuais podem ser realizados em “instalações externas ou num espaço de simulação [do Midlands Future Mobile] de última geração”.

Experimentos nesses níveis pedem conexões 5G. E nesse campo o Brasil nem data para o leilão da tecnologia tem. Por cenários assim o futuro da mobilidade parece ainda mais distante em países que mergulham no atraso. “As estradas serão um local mais conectado, em que os motoristas podem fazer suas viagens com mais segurança e as mercadorias podem ser entregues com mais eficiência”, afirma John Fox, diretor de projeto da Midlands Future Mobility. Ah: com preocupações ecológicas norteando tudo, como deve ser. “O futuro da mobilidade será mais inteligente, seguro e mais verde”, diz um comunicado da Universidade de Warwick, integrante do projeto. O futuro pegou uma porta. O Brasil pegou a outra.

(Nota publicada na edição 1173 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Receita abre consulta a segundo lote de restituição de IR, o maior da história
+ Homem encontra chave de fenda em pacote de macarrão
+ Baleias dão show de saltos em ilhabela, veja fotos!
+ 9 alimentos que incham a barriga e você não fazia ideia
+ Modelo brasileira promete ficar nua se o Chelsea for campeão da Champions League
+ Cuide bem do seu motor, cuidando do óleo do motor
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança


Mais posts

Quem mexeu no meu queijo?

Fatias de receitas das empresas on-line e de tecnologia em cada linha de produto ou serviço. No face, a maior parte veio de publicidade. Na microsoft, houve maior diversidade dentro do portfólio total. Dados sobre o primeiro trimestre de 2020 segundo o statista. Fabio x (Nota publicada na edição 1178 da Revista Dinheiro) Veja também […]

Rumo a Marte

Marte não é logo ali, mas neste julho três lançamentos são previstos para transportar sondas até lá: os projetos Mars 2020 (americano), Tianwen-1 (chinês) e o Emirates Mars Mission (dos Emirados Árabes Unidos). O programa espacial dos EAU rumo ao planeta tem apenas seis anos, mas a sonda mais avançada: a Al-Amal. (Nota publicada na […]

Logística da IOT

Em um estudo intitulado Next-Generation Wireless in Logistics, conduzido pela gigante global DHL (63 bihões de euros de faturamento em [...]

Myntelligence aposta no Brasil

Multinacional de tecnologia com foco em marketing digital, a Myntelligence inaugura sede em São Paulo e aposta no Brasil como hub [...]

E-commerce cresce 65,7%

Desde o início da pandemia mais de 125 mil lojas aderiram às vendas pelo e-commerce. Os dados são da ABComm (Associação Brasileira de [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.