Edição nº 1099 07.12 Ver ediçõs anteriores

Na festa do PIB, brilhou o risco eleitoral

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, discursa durante a premiação

Na noite da quinta-feira 13, em evento na cidade de São Paulo, a Editora Três celebrou mais uma edição de AS MELHORES DA DINHEIRO. Trata-se da principal premiação empresarial do País, na qual as melhores companhias de 26 setores são destacadas pelo seu desempenho nas seguintes áreas: gestão financeira, governança corporativa, responsabilidade social, recursos humanos e inovação e qualidade. São verdadeiras campeãs num ambiente econômico e político tão nebuloso.

A premiação, ocorrida na casa de shows Tom Brasil, reuniu centenas de empresários e executivos, que representam boa parte do PIB brasileiro. No coquetel, que antecedeu a entrega dos troféus, o tema principal nas rodas foi o cenário eleitoral completamente indefinido a menos de um mês do primeiro turno. Ninguém se arriscava a cravar quem será o presidente do Brasil a partir de 2019.

A avaliação quase unânime dos presentes era a de que a tendência de polarização entre a direita (candidato Jair Bolsonaro) e a esquerda (candidatos Ciro Gomes e Fernando Haddad) vai gerar uma enorme volatilidade no mercado financeiro e a paralisia total dos investimentos no País. “Se eu não sei qual maluco vai vencer, não tenho como investir”, afirmou um empresário, claramente insatisfeito com as últimas pesquisas eleitorais. Para muitos, a estagnação de Geraldo Alckmin é praticamente irreversível.

A economia brasileira vive um dos períodos mais críticos de ausência de investimentos. Além da incerteza eleitoral, a elevada ociosidade nas fábricas é apontada pelos executivos como uma justificativa para se colocar o pé no freio. Há honrosas exceções, é claro. Empresas que não desistiram de inovar durante a crise. A Brinquedos Estrela, por exemplo, investiu no varejo de cosméticos para crianças e numa coleção de livros infantis. “Não posso ficar de braços cruzados esperando soluções milagrosas de Brasília”, diz Carlos Tilkian, presidente da Estrela.

Em seu discurso no evento, o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, ressaltou a importância de a grave questão fiscal ser encarada como prioridade pelo próximo governo. Na lista de medidas urgentes, a reforma da Previdência Social continua sendo a mais importante para gerar um equilíbrio nas contas públicos no longo prazo.

Os empresários concordam com a necessidade de uma agenda de reformas, sem espaço para propostas populistas. O tema, no entanto, não é consenso entre os candidatos, principalmente os mais alinhados à esquerda, o que tem alimentado especulações contra o real e a Bolsa de Valores. Na festa do PIB, quem brilhou – negativamente – foi o risco eleitoral.


Mais posts

Crescer o dobro em 2019 é muito otimismo?

Olá, pessoal, tudo bem? Hoje, eu gostaria de conversar sobre o crescimento econômico do Brasil. Depois da tragédia no biênio 2015-2016 [...]

O “dream team” de Bolsonaro na Economia

Das poucas coisas esclarecedoras que o período eleitoral nos proporcionou foi a nomeação antecipada do ultraliberal Paulo Guedes para [...]

O silêncio ensurdecedor de Bolsonaro e Haddad

Olá, pessoal, tudo bem? Tenho uma confissão a fazer. Vibrei quando o resultado das urnas mostrou que nós teríamos o 2º turno na eleição presidencial. A minha vibração não tem nada a ver com a colocação dos candidatos, pois continuo tendo uma postura completamente apartidária. Fiquei empolgado com a possibilidade de um amplo debate sobre […]

Vote com o estômago e não com o fígado

Faltam poucos dias para o 1º turno das eleições. É natural que a disputa à Presidência da República centralize as atenções de todos e é sobre ela que falaremos aqui, no blog “Decomplicando a Economia”. No entanto, vale destacar a importância de boas escolhas para os governos estaduais, que, em sua maioria, vivem numa completa […]

Reajustes no setor público são um tapa na cara da população

O Brasil está no vermelho. Há vários anos, o rombo das contas públicas vem superando a marca dos R$ 100 bilhões. Em 2019, qualquer que seja o presidente da República, o problema se repetirá. Eis que, neste contexto, o governo federal resolveu promover uma farra fiscal com a conivência dos principais candidatos. Na quarta-feira 29, […]

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.