Na economia vai tudo bem

Na economia vai tudo bem

Há um sopro de retomada no ar e o mercado está percebendo. O risco Brasil, por exemplo, caiu a praticamente zero. Em outras palavras, os investidores não veem qualquer possibilidade de o País quebrar ou dar um calote. A razão disso está atrelada à aprovação da reforma da Previdência, ao encaminhamento de uma agenda de medidas de crescimento prestes a sair do papel e, também, ao controle da inflação e de uma taxa de juros básica, que vai caindo seguidamente. É histórico isso. Política à parte, a economia começou a andar bem.

Ao longo deste ano o Brasil já se converteu no quarto principal destino de investimentos do G-20. Significa, em termos financeiros, inversões de mais de US$ 28 bilhões apenas nos primeiros seis meses de 2019. A tendência é de alta geométrica. Para reforçar essa perspectiva, o governo Bolsonaro, em seu giro asiático, acabou por assinar oito acordos bilaterais com os Emirados Árabes, que estão animados em investir nos países emergentes do fôlego do Brasil. Os Emirados almejam parcerias para desenvolvimento, produção e comercialização de produtos conjuntos – especialmente na área de defesa.

Um dos tentos mais vistosos do entendimento comercial da delegação brasileira na região foi a promessa de inversões da ordem de US$ 10 bilhões por parte do fundo soberano árabe. O ministro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, acalenta a esperança de que, no rastro desse gesto, outros países como Japão, Rússia, África e EUA façam o mesmo. Seria a consagração nacional como porto de preferência das finanças globais. O terreno vem sendo preparado. Os juros básicos por aqui caíram ao menor patamar da história, ficando na casa de 5%, podendo ainda recuar até 4%. Essa nova realidade estimula a busca por crédito, financiamentos e consequentes apostas em projetos de expansão. O ciclo virtuoso parece se mover.

No plano dos consumidores, as classes A e B cresceram e atingiram 14,4% da população – perto de 30 milhões de pessoas. É o melhor índice nesse sentido na última década. Ao mesmo tempo em que o número de famílias ricas e da classe alta avançou, as classes menos favorecidas (D e E) mostraram estabilidade. Nesse tocante, pode não ser o comportamento ideal. O desejável seria uma queda na quantidade de pessoas em situação de pobreza. Mas, diante do quadro de agudo desemprego, que demora a mudar, não deixa de ser alvissareira a ideia de que o contingente da baixa renda parou de aumentar. Certa é a volta ao trilho do desenvolvimento de um bonde que por longa temporada andou desgovernado.

(Nota publicada na Edição 1145 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

O crescimento em “v”

Vivemos a ilusão de uma rápida, consistente e tranquila retomada econômica, no ritmo que os membros da equipe do ministro Paulo Guedes [...]

A pedalagem do renda cidadã

Foi um truque. Uma tentativa rasa de enganar a turba. O governo não se emenda. Tentou mudar o nome, de novo, do Bolsa Família – que já [...]

Lá vem o buraco fiscal

O primeiro sinal veio em forma de flexibilização da regra do teto, em uma área específica, já no corrente ano. O Congresso Nacional [...]

O cartão vermelho da economia

A pasta da economia está tendo de fazer uma rearrumação geral para pegar no tranco. Depois do “passa fora” do presidente Bolsonaro, que [...]

O impacto do raio

É do ministro Paulo Guedes a avaliação figurativa, dias atrás, sobre o tamanho da queda do PIB, comparável, no seu entender, ao impacto [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.