Na economia, o “ignorante” Boechat sempre foi a voz do consumidor oprimido

Boechat também jamais deixou de dar os seus pitacos nos assuntos econômicos. Ao disparar alguma crítica ácida, sempre salientava que não era um especialista no tema

Na economia, o “ignorante” Boechat sempre foi a voz do consumidor oprimido

Boechat morreu aos 66 anos em queda de helicóptero

O Brasil está mais uma vez de luto. São muitas tragédias em poucos dias. O jornalismo, em especial, está destroçado. A perda do mestre Ricardo Boechat é incalculável. Sua genialidade nos comentários sempre marcou sua carreira no rádio e na televisão. Seu faro pela notícia exclusiva sempre notabilizou suas colunas em jornais e revistas. Ele brilhava em todas as mídias.

Atualmente, Boechat escrevia todas as semanas na revista ISTOÉ, cuja coluna foi laureada pelo Prêmio Comunique-se de 2018. Eu tive a honra de representá-lo na entrega deste troféu, que é considerado o Oscar do jornalismo brasileiro.

Boechat sempre se destacou no mundo político, com um discurso letal contra os corruptos. Brilhou intensamente, no ano passado, nas sabatinas que a ISTOÉ promoveu com os presidenciáveis (sorte minha de participar de algumas ao lado dele). Era nítido o respeito que todos os políticos – de esquerda, de centro e de direita – tinham pelo jornalista.

Boechat também jamais deixou de dar os seus pitacos nos assuntos econômicos. Ao disparar alguma crítica ácida, sempre salientava que não era um especialista no tema. “Reconheço a minha absoluta ignorância na economia”, dizia. E isso era um problema? Não. No caso dele, era melhor ainda.

Exatamente por não ser um grande conhecedor dos assuntos econômicos, Boechat se colocava na posição indignada dos consumidores. O setor bancário era um dos seus alvos prediletos. “Tem alguma coisa errada na economia de um país onde todos os setores perdem dinheiro enquanto os bancos anunciam os maiores lucros de sua história”, afirmou, inúmeras vezes, durante o período recessivo.

Quando ouvintes escreviam para ele reclamando de alguma grande empresa, ele logo disparava no ar em defesa dos consumidores oprimidos. Muitas vezes até exagerava, mas jamais deixou de dar espaço para o outro lado se defender. Boechat divulgava o próprio número do celular para que o público ligasse para ele. E, sim, ele atendia a dezenas de fãs todos os dias com enorme carinho e atenção, inclusive ajudando de forma pessoal.

Boechat é um tipo de profissional em extinção. Talento puro que só os gênios têm. Morreu num desastre de helicóptero, um tipo de transporte que é usado por quem tem uma agenda absolutamente atribulada. Aos 66 anos, trabalhava demais. Não pensava em se aposentar. E, com certeza, ajudaria muito no debate sobre a polêmica Reforma da Previdência. Uma perda irreparável.

Veja também

+Caixa paga hoje (13) auxílio emergencial para nascidos em maio

+Soros produzidos por cavalos têm anticorpos potentes para covid-19

+ Avó de Michelle Bolsonaro morre após 1 mês internada com covid-19

+ Nazistas ou extraterrestres? Usuário do Google Earth vê grande ‘navio de gelo’ na costa da Antártida

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Sobre o autor

Luís Artur Nogueira é jornalista, economista e palestrante. Está no mercado há mais de 20 anos


Mais posts

A economia também mata!

Olá, pessoal! Tudo bem? Desde o começo da pandemia, eu tenho alertado para os efeitos econômicos do combate ao novo coronavírus. Sem, [...]

Declaração de Guedes sobre domésticas na Disney foi muito infeliz

Olá, pessoal! Tudo bem? Quem acompanha o meu trabalho sabe que eu elogio constantemente a agenda econômica do ministro Paulo Guedes. [...]

O que já podemos aprender com os riscos em 2020?

Olá, pessoal! Tudo bem? O mês de janeiro passou como num estalar de dedos, mas esse início de ano nos trouxe inúmeras lições [...]

2020 será o ano do crédito. Isso é bom?

Olá, pessoal! Tudo bem? No apagar das luzes de 2019, gostaria de escrever algumas linhas sobre 2020. Conforme tenho repetido em artigos [...]

O Brasil está crescendo quase o dobro. E pode avançar mais!

Olá, pessoal, tudo bem? Nos últimos dias, diversos indicadores econômicos vieram acima das expectativas dos analistas, sinalizando uma [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.