Giro

Mundo científico está surpreso por mudança na ‘cara feliz’ de Marte

Crédito: Reprodução/Divulgação

Aparentemente devido à erosão térmica podemos ver como esse local mudou entre 2011, quando a primeira foto foi tirada em alta definição, e 2020. (Crédito: Reprodução/Divulgação)

Marte é um planeta ao qual cientistas e pesquisadores têm prestado muita atenção ultimamente. Talvez porque poderia ser o próximo lar da humanidade, múltiplas missões e planos, desde o conhecimento de suas catástrofes históricas até a introdução de um sinal da Internet, foram armados em relação ao planeta vermelho. Agora, eles descobriram algo incrível sobre ele.

+ Cientistas decifram mistério de geleiras de Marte
+ Nova tecnologia pode extrair oxigênio e combustível da água de Marte

Tem a ver com a “cara feliz” de Marte, aquele acontecimento natural que imediatamente chamou a atenção da NASA, aparentemente o desenho de uma criança sorridente. Recentemente, algumas imagens foram tiradas com a câmera High Resolution Imaging Science Experiment a bordo da Mars Exploration Orbiter, e mostram que a “face” mudou.

Aparentemente devido à erosão térmica podemos ver como esse local mudou entre 2011, quando a primeira foto foi tirada em alta definição, e 2020. Elas foram tiradas na mesma época do ano, mas podemos ver algumas mudanças não só na cor , mas também em forma e tamanho. De acordo com a equipe, as mudanças de cor são produzidas por diferentes quantidades de uma geada leve em um fundo vermelho escuro.



Mas como falamos, não foi só a cor que mudou: quanto à forma, dizem que a mancha mudou devido à cor do sol, o que provoca uma sublimação (quando o sólido vira diretamente em gás e evita o fase líquida). Isso tornou a boca maior e o nariz agora se funde em uma, em vez de duas partes, como em 2011.

O pesquisador Ross Baer ​​disse que documentou esse “rosto” por mais de uma década e continuará a fazê-lo. “Medir essas mudanças ao longo do ano marciano ajuda os cientistas a compreender e eliminar a deposição anual de geadas polares. Observar esses lugares por longos períodos de tempo nos ajuda a entender as tendências climáticas de longo prazo no planeta vermelho”, disse ele.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel