Edição nº 1117 18.04 Ver ediçõs anteriores

Mulheres e vinho: a presença crescente das sommelières no Brasil

Annas, Gabrielas, Jô, Marias, Julianas são exemplos de mulheres que estão escrevendo a história do serviço do vinho em nosso país

Mulheres e vinho: a presença crescente das sommelières no Brasil

Nem faz tanto tempo assim: em 1997, quando chegou ao Brasil, a sommelière italiana Anna Rita Zanier logo se tornou umas das mulheres pioneiras a trabalhar com o serviço do vinho por aqui (a também pioneira nesta época é a carioca Deise Novakoski, no Rio de Janeiro). Anna Rita veio, com mais quatro italianos da região de Friuli, para trabalhar na Expand, na época já uma grande importadora de vinho, que trazia os profissionais italianos para crescer mais no mercado brasileiro. Anna Rita ficou poucos meses na empresa, depois foi trabalhar com o chef Sergio Arno, nos restaurantes La Vecchia Cucina e, depois, no Alimentari. Voltou para a Expand no ano 2000, onde ficou por 16 anos, ministrando inúmeros cursos de vinho e de serviço da bebida e formando uma legião de apreciadores da bebida, homens e mulheres.

Se chegasse ao Brasil agora, Anna Rita não se surpreenderia com a ausência de mulheres no mundo do vinho. Muito pelo contrário. Pouco mais de duas décadas se passaram, mas a presença feminina cresceu muito neste segmento. As mulheres conquistaram importante espaço no salão– todo o serviço de vinho do D.O.M., o restaurante brasileiro mais premiado internacionalmente, por exemplo, é liderado por uma mulher, a sommelière Gabriela Monteleone. No Tambouille, clássica casa italiana, as linhas mestras do vinho são dadas por Gabriele Frizon e o serviço conta com a ajuda de Danielle Forte. Juliana Caraniharmoniza os vinhos no italiano Ristorantino, para citar apenas alguns poucos exemplos.

As mulheres também empreendem no mundo do vinho. Outra Gabriela, agora a Bigarelli, investiu em uma lacuna do setor e colhe os bons frutos: ela montou uma empresa para coordenar não apenas a compra de vinhos pelos restaurantes, como todo o treinamento de equipes e a montagem das cartas.O conceituado Maní é um dos seus clientes.Ela ainda encontrou tempo para abrir seu próprio restaurante, o Terço Resto Bar.Eliana Araújo, outro exemplo, é sócia da loja Wine Soul.A dupla Cassia Campos e Daniela Bravin apostara no modelo de um pequeno e descolado bar de vinhos, o Sede 261. Jéssica Marinzeck, por sua vez, montou não apenas uma empresa para prospectar e importar vinhos, como uma loja para vendê-los em um importante shopping de São Paulo. Outras estão cuidando da importação de vinhos de grandes supermercados, como Jô Barros, no Angeloni, rede de lojas em Santa Catarina e Paraná.

A abertura do mercado não quer dizer que não haja mais preconceito ou barreiras, veladas ou não, ao trabalho da mulher no mundo do vinho no Brasil. Muitas relatam que há homens que ainda querem ser atendidos por um homem no momento de escolher um vinho para o jantar. Há restaurantes que nem aceitam currículos de mulheres para o serviço no salão, quanto mais do vinho. Também são pouquíssimas as enólogas com posição de destaque nas vinícolas brasileiras.

Mas, ao olhar para trás na chegada de Anna Rita ao Brasil, é importante perceber esta conquista feminina. São mulheres que procuram o seu espaço, não para tirar o trabalho do homem, mas porque são funções que devem ser conquistadas por competência e não por questões de gênero, assim eu acredito.

Fico contente ao notar que, hoje em dia, é grande a lista de mulheres no mundo do vinho por aqui (citei acima algumas delas, sabendo que deixei de fora muitas outras, mas o espaço é exíguo). É a minha homenagem para encerrar esta série de artigos sobre as mulheres do vinho, publicada durante todo este mês de março, reconhecendo o trabalho das mulheres no universo do vinho no Brasil.

As mulheres e o vinho

Durante todo o mês de março posto aqui as mais diversas histórias de mulheres no mundo do vinho. Em 2018 foram 23 textos de personalidades e épocas diferentes e em 2019 continuo a tradição. Adorei pesquisar e conhecer mais sobre estas pessoas e seus desafios. Confira, a seguir, quais foram estas mulheres.

2019

2018

– Dona Antónia Ferreira, a querida dona Ferreirinha, que tanto fez pela região do Douro e, por que não, por Portugal

– Barbe-Nicole Clicquot, mais conhecida como a Veuve Clicquot

– Jancis Robinson, a inglesa mais influente do mundo do vinho com o seu www.jancisrobinson.com

– Laura Catena, a argentina que investe nas pesquisas para conhecer e elaborar vinhos de qualidade, na vinícola Catena Zapata

– Lalou Bize-Leroy, a polêmica e competentíssima produtora da Borgonha

– Serena Sutcliffe e os leilões de vinho

– Maria Luz Marín, a chilena pioneira no vale de San Antonio, no Chile.

– Mônica Rossetti, brasileira que atualmente trabalha na Itália. Ela tem papel primordial na história da vinícola gaúcha Lidio Carraro

– Natasha Bozs, uma das primeiras enólogas negras da África do Sul, da Nederburg

– Elena Walch, a arquiteta que virou enóloga e hoje tem sua própria vinícola no Alto Adige

– Véronique Drouhin-Boss, a francesa da quarta geração da domaine Drouhi

– As associações de mulheres e vinhos já existem em 10 regiões francesas

– Lorenza Sebasti, proprietária da vinícola italiana Castello di Ama

– Fabiana Bracco, da Bracco Bosca, que tanto faz pelo vinho uruguaio que pode ser considerada a embaixadora do país

– A portuguesa Filipa Pato, dos vinhos da Bairrada

– Lis Cereja, a brasileira que mais e melhor levanta a bandeira do vinho natural no Brasil

– Féminalise, um concurso de vinhos francês que só tem juradas

– Albiera Antinori, a primeira mulher a dirigir a tradicional vinícola italiana

– Susana Balbo, a pioneira nos vinhos argentinos

– Cecília Torres, a primeira mulher nos vinhos chilenos com o Casa Real

– Ludivine Griveau, que dirige os vinhos do Hospice de Beaune, na Borgonha

– A dupla de amigas e enólogas portuguesas Sandra Tavares e Susana Esteban

– Patricia Atkinson, e a sua aventura de elaborar vinhos franceses


Mais posts

A importância crescente do enoturismo

A francesa Alice Tourbier, do Les Sources de Caudalie, é o principal destaque do Invino Wine Travel Summit, que acontece nesta [...]

Brasil e Chile fazem acordo de equivalência para produtos orgânicos

Os dois países vão reconhecer a certificação válida no país de origem

Por que a Salton é a marca número 1 de vinho do Brasil?

Pesquisa da inglesa Wine Intelligence aponta que a vinícola é a marca de vinhos mais forte no País

Viviana Navarrete e os desafios das mulheres nas vinícolas chilenas

Principal enóloga da Viña Leyda, ela conta como venceu os desafios para chegar à liderança após muito trabalho, dedicação e perseverança,

Beatriz Almeida, uma mulher nos vinhos do Dão

Natural do Porto, a enóloga está à frente dos vinhos da Sogrape nesta região de Portugal
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.