Artigo

Muito além do Pink Money

Em 28 de junho de 1969, uma invasão de policiais na boate Stonewall, em Nova York, deu início ao movimento de luta pelos direitos LGBTQ+ que completa 50 anos. A data enseja uma reflexão sobre o papel da diversidade no mundo corporativo e no ambiente de negócios

Muito além do Pink Money

Um mercado estimado em R$ 420 bilhões somente no Brasil, segundo a Associação Internacional de Empresas Out Leadership. Isso significa que o público LGBTQI+ movimenta quase meio trilhão de reais nos mais diversos setores, como tecnologia, comércio, indústria e o setor imobiliário.

Em uma economia em que o empreendedorismo está exaltado, startups como a Pontomais (RH), Juno (Fintech), Quinto Andar (imobiliário), Send 4 (varejo) e tantas outras se abrem para a diversidade. Diversidade que vai além do público LBGTQI+ e que se mostra cada vez mais presente e promissora. Isso porque pessoas com histórias e lutas diferentes trazem ao dia a dia novos pontos de vista. Todo empreendedor sabe que esse é o ponto essencial para o desenvolvimento de produtos e serviços que, além de inclusivos, são mais completos e tendem a sanar necessidades de um mercado cada vez mais exigente.

Globais como Apple, Facebook, Prezi e nacionais como Creditas, Nubank e Ebanx já comprovaram os benefícios de lideranças que abraçam a ideia da diversidade — e isso se tornou um fator acelerador do sucesso. Pessoas com propósito de vida fazem a diferença também na empresa em que trabalham.

Na Pontomais, por exemplo, temos mais de 15% do nosso time que se consideram LBGTQI+. A célebre frase de Einstein já dizia que insanidade é fazer as coisas da mesma maneira e esperar resultados diferentes. Essa é uma das razões pelas quais credito nosso crescimento de mais de 370% em 2018. Quando juntamos pessoas com perfis diferentes e complementares conseguimos uma visão mais abrangente na solução de problemas, de forma rápida e eficaz. O mundo está se movimentando nessa direção e não há mais como voltar.

As boas práticas do dia a dia

Todo colaborador precisa sentir-se em um ambiente seguro e confortável para executar suas tarefas de maneira satisfatória. Empresas focadas em alto-rendimento sabem que reter talentos é imprescindível. Fazendo uma rápida análise na nossa base de clientes – cerca de 8 mil, em sua maioria gestores de pessoas — percebemos que os mais produtivos são os mais inclusivos.

Os colaboradores já estão quebrando as barreiras de grupos para socializar, empatizar com a realidade do próximo e desenvolvendo relações mais duradouras e conexões reais. Essas pessoas trazem com elas seus propósitos e se engajam no propósito da marca, aumentando assim as chances de sucesso.

Por onde começar?

Existem inúmeros profissionais LBGTQI+ em grande parte das empresas (estudos apontam que ao menos 10% da população mundial é LBGTQI+). Uma iniciativa que estamos promovendo entre RHs é a formação de uma cultura empresarial favorável à diversidade. Percebemos que além de termos equipes diversas, é necessário preparar as equipes e colocar algumas regras simples de respeito, que organicamente serão adotadas pelas pessoas que seguem os valores corporativos e o respeito às diferenças. Aos poucos essas boas práticas são absorvidas, com a supervisão do RH e da equipe de liderança. Ao fim, a Cultura Corporativa percebe os benefícios e se adequa.

(*) Hendrik Machado é CEO da Pontomais,
empresa líder em soluções de tecnologia para RH.