Economia

Movimento em torno dos batalhões é fraco no 4º dia de protesto no Rio

O movimento das famílias dos policiais militares na frente dos batalhões de polícia diminuiu na manhã desta segunda-feira, 13, em relação aos outros três dias de greve. Por volta das 10h30, havia oito mulheres em frente ao Batalhão de Choque, no Estácio, na região Central do Rio. No batalhão de Olaria, na zona norte, havia três mulheres e, no da Tijuca, também na zona norte, cinco.

Desde que a movimentação começou, o comando da PM tenta desmobilizar a paralisação. Alguns policiais estão sem farda na porta dos batalhões e as trocas de turno estão sendo feitas nas ruas.

Neste domingo, 12, houve confronto depois do jogo do Botafogo contra o Flamengo, no estádio do Engenhão, na zona norte do Rio. Um homem morreu baleado e mais sete ficaram feridas, também vítimas de agressões.



Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

Tópicos

mulheres PM protesto rio