Economia

Movimentação portuária registra queda de 1,6% em 2019 ante 2018, diz Antaq

A movimentação de cargas no setor portuário brasileiro registrou queda de 1,6% no último ano, apontam dados divulgados nesta quinta-feira, 13, pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). O número fechado em 2019 foi de 1,104 bilhões de toneladas.

Em entrevista à imprensa, técnicos do órgão atribuíram a performance negativa ao minério de ferro, que perdeu quase 40 milhões de toneladas no ano passado em relação a 2018, com uma redução de 10% na carga movimentada.

Já a movimentação de petróleo e derivados e de milho são os principais destaques positivos registrados no ano passado, com crescimento de 11% e 58%, respectivamente. Foram 224,7 milhões de toneladas de petróleo e derivados e 55,7 milhões de toneladas de milho.

Segundo a Antaq, os portos privados foram responsáveis por 66% da movimentação total no ano passado. Em 2019, a movimentação de contêineres somou 117 milhões de toneladas, com crescimento de 3,5%. No período de nove anos, a movimentação total de carga portuária no Brasil cresceu 31,5%.

Cabotagem

Segundo a Antaq, a carga transportada no Brasil por navegação de cabotagem de contêineres cresceu 14,3% no ano passado, em comparação a 2018.

O resultado vem de uma trajetória positiva ao longo dos últimos nove anos, onde se registra um crescimento acumulado de 200%, entre 2010 e 2019.

A cabotagem (navegação entre portos) é uma das apostas do governo federal para reconfigurar a matriz de transportes no País.

Para o diretor-geral da Antaq, Mário Povia, a capacidade ociosa dos terminais de contêineres – resultado da crise e também de problemas na produtividade – permite que os terminais abram espaço para atenderem mais cargas na cabotagem.

Assim como o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, Povia vê espaço para um crescimento ainda maior dentro da modelagem.

O plano do governo é lançar em breve o programa BRdoMar, para incentivar o uso da cabotagem no Brasil a partir de regras mais flexíveis e desburocratização.

Na visão do diretor-geral da Antaq, um dos grandes potenciais desse projeto do Executivo é o incremento da frota de navios.

Como já mostrou o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), o governo quer aliviar as regras para afretamento de embarcações estrangeiras a serem usadas na cabotagem. A ideia é ter uma frota forte e perene para atrair empresas à modelagem.

“Produção e consumo são muito próximos da costa brasileira. A questão é tirar gargalos que impediam que essas cargas fossem transportadas pela água”, afirmou Povia.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?