Edição nº 1134 19.08 Ver ediçõs anteriores

Morte a crédito

As pessoas estão mais preocupadas com a morte. É o que mostra uma pesquisa da Confederação Nacional das Seguradoras (CNSeg), que identificou um crescimento expressivo dos planos funerários e de seguros de vida, principalmente no Rio de Janeiro. No Estado, houve um aumento de 21% na procura desses contratos no primeiro trimestre deste ano. Esses seguros de proteção pessoal contabilizaram um faturamento de R$ 3,3 bilhões na comparação com o mesmo período de 2018. “Diante da crise financeira e da crescente onda de violência que assola o Estado, a procura por planos de auxílio funeral aumentou consideravelmente”, diz Marcelo Carvalho, presidente da Riopae, maior empresa de assistência familiar da Baixada Fluminense.

(Nota publicada na Edição 1120 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Que tiro foi esse?

Se existe um presidente de empresa feliz da vida no Brasil, esse é Salesio Nuhs, CEO da fabricante de armas Taurus. As vendas cresceram [...]

Do turismo ao imóvel

O empresário Valter Patriani, cofundador da agência de viagens CVC, ao lado de Guilherme Paulus, vendeu recentemente sua participação [...]

A moda do cacau saudável

No início de 2017, surgiu no mercado a Dengo Chocolates, marca do empresário Guilherme Leal, cofundador da Natura, com a proposta de [...]

Na carona dos investimentos

A Valemobi, empresa de tecnologia para o mercado financeiro, vai apostar no TradeMap, uma plataforma digital que se propõe a conectar [...]

Tudo que reluz

O mercado de gemas e metais preciosos defende uma simplificação dos tributos que incidem sobre as joias, com a Reforma Tributária. Por [...]
Ver mais