Economia

Morgan Stanley: trégua entre China e EUA traz incertezas ao mercado global

Em nota aos investidores, banco afirmou que recuo gera desconfiança e não mostra um caminho para a economia internacional

Morgan Stanley: trégua entre China e EUA traz incertezas ao mercado global

Os dois países concordaram em frear o aumento de tarifas de importação após semanas de ameaças e tensões (AP Photo/Susan Walsh)

A trégua na guerra comercial anunciada pela China e os Estados Unidos durante o último dia do G20, neste sábado, não traz clareza sobre o futuro das duas maiores economias mundiais, afirmou o banco de investimentos Morgan Stanley em um relatório aos acionistas divulgado neste domingo (30).

Segundo o texto, apesar do recuo de Washington e Pequim na escalada, as declarações feitas durante o encontro das 20 maiores economia do mundo no Japão ainda geram desconfiança para investidores e não mostra um caminho para o futuro do mercado internacional.

“Como as coisas estão, não temos clareza sobre se houve progresso real nos pontos que fizeram as negociações quebrarem em primeiro lugar”, disse o economista-chefe do Morgan Stanley, Chetan Ahya.

Os dois países concordaram em frear o aumento de tarifas de importação após semanas de ameaças e tensões. Um acordo chegou a ser anunciado em maio, porém, foi suspenso após acusações de ambos os lados. O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou em Osaka que os países estão “no caminho certo” e que não aumentará a cota de 25% sobre US$ 300 bilhões de compras da China, enquanto o mandatário chinês, Xi Jinping, garantiu que o país manterá as relações comerciais de bens agrícolas norte-americanos.

As ações foram encaradas com reservas pelo Morgan Stanley. Segundo o texto, as incertezas ainda causarão restrições ao mercado global, podendo impactar empréstimos, aumentar a desconfiança de novos investimentos de diminuir o crescimento econômico.