Giro

Moraes prorroga inquérito que apura desobediência de Daniel Silveira

Crédito: REUTERS / Lucas Landau

Deputado Daniel Silveira participa de manifestação no Rio de Janeiro (Crédito: REUTERS / Lucas Landau)



Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) – O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes prorrogou nesta segunda-feira, por 60 dias, inquérito da corte que apura possível crime de desobediência à decisão judicial do deputado Daniel Silveira (PTB-RJ) relacionado ao não uso da tornozeleira eletrônica.

Segundo o ministro, a Polícia Federal apontou, em relatório, 20 situações não justificadas em que foi alegado “fim de bateria” do equipamento de monitoramento eletrônico, e duas ocorrências, também não justificadas, de “violação de área de inclusão”.

“Considerando a necessidade de prosseguimento das investigações, notadamente no que diz respeito à obtenção dos dados cadastrais dos usuários dos IPs apurados, para que seja possível a apresentação dos locais físicos de onde foram feitos acessos ao sistema da Câmara dos Deputados,… prorrogo por mais 60 (sessenta) dias o presente inquérito”, determina Moraes na decisão desta segunda-feira.



Brasil fica mais uma vez de fora da reunião do G7

De acordo com Moraes, a prorrogação ocorre a pedido da PF, e a Procuradoria-Geral da República (PGR) também se manifestou pela continuidade da investigação.

Condenado pelo STF pelos crimes de coação no curso do processo e atentado ao Estado Democrático de Direito, ao proferir discursos de incentivo à violência com ataques à Justiça e a ministros da corte, o deputado recebeu pena de 8 anos e 9 meses de reclusão, em regime inicial fechado, além de multa e da perda do mandato parlamentar.


Silveira, no entanto, foi beneficiado no dia seguinte por decreto de “graça constitucional” do presidente Jair Bolsonaro.

O deputado, que já chegou a pernoitar na Câmara dos Deputados para evitar se submeter à colocação da tornozeleira eletrônica, participou no fim de semana de atos favoráveis ao presidente permeados por ataques ao STF e a ministros.

tagreuters.com2022binary_LYNXNPEI410SF-BASEIMAGE