Mundo

Moradores de São Vicente, no Caribe, acordam com ruas cobertas de cinzas e estrondos do vulcão

Por Robertson S. Henry

KINGSTOWN, São Vicente e Granadinas (Reuters) – Moradores da ilha caribenha de São Vicente acordaram neste sábado com os estrondos do vulcão La Soufrière, que entrou em erupção no dia anterior, e com uma fina camada de cinzas cobrindo telhados, carros e ruas.

Após décadas de inatividade, o vulcão entrou em erupção na sexta-feira, lançando nuvens escuras de cinzas a cerca de 10 kms no ar e gerando a retirada de alguns moradores da região.

Uma testemunha da Reuters em Kingstown, capital da ilha, afirmou que o vulcão continuou a soltar nuvens de cinzas e estrondos na manhã de sábado, enquanto vídeos da ilha mostram uma paisagem fantasmagórica, com ruas vazias e o céu escurecido.

São Vicente e Granadinas, com população de pouco mais de 100.000 pessoas, não via experiência vulcânica desde 1979, quando uma erupção gerou aproximadamente 100 milhões de dólares em danos. Uma erupção do La Soufrière em 1902 matou mais de 1.000 pessoas.

O primeiro-ministro Ralph Gonsalves, que ordenou a retirada dos moradores próximos à erupção, deve visitar abrigos de resgate neste sábado que impuseram limites no número de pessoas que podem receber devido a protocolos contra Covid-19.

+ Jaguar Land Rover: a luta contra a falta de confiança dos consumidores

Autoridades afirmam que estão esperando os especialistas antes de anunciar quais os próximos passos que tomarão.

(Por Drazen Jorgic)

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel