A monocultura ameaça o chocolate

A monocultura ameaça o chocolate

E se todo o chocolate do mundo acabasse? Infelizmente, esse cenário assustador é possível. Isso se deve a décadas de monocultura, que acabou por reduzir o cacau produzido no planeta a um número muito pequeno de variedades da fruta. O problema é que o surgimento de um fungo, chamado monilia, ameaça tornar inviável o seu cultivo. A doença chegou a dizimar quase por completo as fazendas cacaueiras da Costa Rica, nos anos 1970. No ano passado, o fungo foi detectado fora da América Latina pela primeira vez, na Jamaica. Especialistas temem que o mesmo aconteça no Oeste da África, de onde vem a maior parte do cacau usado pelos grandes fabricantes de chocolate, como Hershey’s, Nestlé e Mondelez.

“A indústria do cacau está correndo risco”, afirmou, em entrevista ao jornal The New York Times, o Dr. Wilbert Phillips-Mora, responsável pela maior coleção de variedades de cacau registrada no mundo, com mais de 1,2 mil espécies, que pertence ao CATIE, centro de pesquisas costarriquenho. Ele acredita que a única saída para evitar a catástrofe é aumentar a diversidade da planta, criando variedades híbridas. Um experimento recente com sementes híbridas, conduzido na América Central, no México e no Brasil, conseguiu reduzir de 75% para 5% a taxa de infecção. “Nosso objetivo não é só produzir cacau”, afirma o cientista. “Queremos dar condições básicas de vida aos pequenos fazendeiros.” Segundo Phillips-Mora, a maioria dos produtores é muito pobre, uma vez que as dificuldades de cultivar a fruta tornam o retorno financeiro lavoura muito pequeno.

 

(Nota publicada na Edição 1039 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

Estado de emergência

Nem mesmo a notícia de que o fogo que consumiu mais de 3 milhões de hectares do Pantanal pode ter sido criminoso foi suficiente para [...]

Ingredientes locais valorizados

Inspirados no relatório Future 50 Foods, que traz os 50 alimentos do futuro por aliarem alto potencial nutritivo com baixo impacto [...]

R$ 1 milhão para economia circular

A fabricante de etiquetas Avery Dennison já investiu cerca de R$ 1 milhão no seu programa circular. Com o projeto, a empresa se compromete a transformar seus resíduos de liner papel, matéria prima para a fabricação de adesivos, em polpa celulósica utilizada na produção de papel-toalha usado em sua planta no Brasil. Estima-se que mais […]

Desmatamento sobe e impulsiona preço de cerveja

A Ambev lançou uma cerveja cujo preço flutua de acordo com os índices de desmatamento da Floresta Amazônica. Quando a área degradada [...]

Telemedicina para democratizar a saúde

Criado durante uma das expedições do Rally dos Sertões, com o objetivo de promover acesso gratuito à saúde em comunidades com [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.