Economia

Mongólia inicia trabalhos para uma gigantesca mina de cobre

Mongólia inicia trabalhos para uma gigantesca mina de cobre

(Arquivo) Instalação de processamento de minerais da Rio Tinto no deserto de Gobi, Mongólia, 23 de junho de 2012 - AFP/Arquivos

As obras subterrâneas de uma gigantesca mina de cobre em Mongólia propriedade da Rio Tinto começaram, após vários anos de disputa – anunciou a agência de notícias nacional.

Localizada em pleno deserto de Gobi, a mina de ouro e cobre de Oyu Tolgoi deveria representar mais de 30% do Produto Interno Bruto (PIB) da Mongólia, afirmaram os promotores do projeto, assinado em 2009.



Mas a obra, cujo lançamento estava previsto para 2013, foi alvo de controvérsia sobre seu financiamento, sua distribuição de lucro e seu impacto ambiental.

Rio Tinto e Mongólia conseguiram chegar a um acordo em 2015, passo que abriu caminho para a exploração da mineração e novos trabalhos subterrâneos.

Após anos de atraso, as operações começaram oficialmente na terça-feira (25), informou a agência de notícias Montsame.

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


O ato foi marcado por uma cerimônia que contou com a presença do CEO do grupo anglo-australiano, Jakob Stausholm, e do primeiro-ministro da Mongólia, Luvsannamsrai Oyun-Erdene.

“O início das operações na mina subterrânea de Oyu Tolgoi mostra ao mundo que a Mongólia pode trabalhar com os investidores de forma sustentável e se tornar um sócio de confiança”, disse o primeiro-ministro, citado pela Montsame.


O local já está sendo desenvolvido a céu aberto, mas a Rio Tinto afirma que 80% de sua riqueza mineral reside em suas reservas subterrâneas, as quais deseja explorar em grande escala para torná-las uma das maiores minas de cobre do planeta.