Compras

Motocicleta: bom momento para comprar, avalia especialista

Crédito: Pixabay License

Queda nas vendas favorece negociação, diz especialista (Crédito: Pixabay License)

Os consumidores que estão pensando em adquirir uma moto podem conseguir um bom negócio por conta da pandemia, que gerou uma retração na demanda e, consequentemente, uma queda na produção. A afirmação é do presidente do Instituto Brasileiro de Executivos do Varejo e Mercado de Consumo (Ibevar), Claudio Felisoni de Angelo.

Para o executivo, o menor volume de negociações oferece mais espaço para os consumidores debaterem os preços. Mas é preciso tomar cuidado com a segurança financeira em uma operação de compra da moto e a manutenção do seu pagamento, caso seja em forma parcelada.

+ Vendas de motocicletas têm queda de 2,3% em outubro
+ Produção de motos cai 13,5% em outubro ante setembro, diz Abraciclo
+ Triumph apimenta motos com programa de personalização e exclusividade

“Acredito que o consumidor possa fazer um bom negócio nesse momento, com alto poder de barganha, mas é necessário não comprometer a sua renda. O ideal é que as parcelas não ultrapassem 20% da renda total corrente”, avisa.

Em relação aos consumidores que já possuem motocicletas, o presidente diz que o momento não é favorável para realizar a venda. “Quem pensar em vender a sua moto terá uma pressão muito grande para a diminuição dos preços. Não estamos em um mercado comprador. O consumidor pode ter dificuldades em alcançar o valor que gostaria pelo veículo”, orienta Felisoni.

Segundo relatório da Abraciclo, entidade que representa o setor, a produção da indústria de motocicletas, instalada no polo industrial de Manaus (AM), teve queda de 13,5% na passagem de setembro para outubro.

Na comparação com outubro de 2019, o volume produzido recuou 16,7%, para um total de 90,9 mil unidades, segundo a entidade.

O presidente da Abraciclo, Marcos Fermanian, atribuiu, em nota, a queda na produção aos protocolos de prevenção ao coronavírus por aumentarem o tempo de produção, já que, em razão da norma de distanciamento, menos operários podem trabalhar simultaneamente.

No entanto, Felisoni vê a queda na demanda como fator determinante para a menor produção. “A massa real de pagamentos é 5% menor do que a observada em dezembro de 2019, o que limita o volume de compras”, conclui Felisoni.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?