Ciência

Moderna iniciou testes de reforço da vacina específico para ômicron

Crédito: AFP/Arquivos

Vacina da Moderna contra covid-19 em uma clínica de Los Angeles - AFP/Arquivos (Crédito: AFP/Arquivos)

O laboratório americano Moderna anunciou nesta quarta-feira (26) que iniciou os ensaios clínicos de uma dose de reforço da vacina projetada especificamente para agir contra a variante ômicron.

Participarão dos testes 600 adultos. Metade deles já recebeu duas doses da vacina Moderna há pelo menos seis meses e a outra metade recebeu as duas doses iniciais mais o reforço já autorizado.



+ Dados mostram que risco de morrer é bem maior em não vacinados, diz Opas

Assim, o reforço voltado para a ômicron será avaliado tanto como uma terceira quanto uma quarta dose.

A empresa também relatou resultados sobre a eficácia de seu reforço geral: seis meses após a injeção, os níveis de anticorpos neutralizantes contra a nova cepa caíram seis vezes em relação ao pico observado 29 dias após a vacinação, mas permaneceram detectáveis em todos os participantes.

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


Esta informação foi obtida pela observação do sangue de 20 pessoas que receberam um reforço de 50 microgramas, metade da quantidade das duas primeiras doses.

“Estamos tranquilos com a persistência de anticorpos contra a ômicron seis meses após o reforço atualmente autorizado”, afirmou o diretor executivo da Moderna, Stephane Bancel, em um comunicado.


“No entanto, dada a ameaça de longo prazo demonstrada pelo escape imunológico da ômicron, estamos adiantando em nossa vacina candidata de reforço específica para a variante”, continuou ele.

O anúncio da Moderna chega um dia depois que suas rivais Pfizer e BioNTech disseram que começaram a fase de testes clínicos para um imunizante direcionado à ômicron.

Ambas as vacinas são baseadas na tecnologia de RNA mensageiro, o que as torna relativamente fáceis de atualizar diante das mutações das novas variantes.

Diversos países, incluindo os Estados Unidos, começaram a ver uma queda nos casos associados à onda de infecções causada pela ômicron, a variante mais transmissível detectada até agora, mas o número de casos segue aumentando em nível mundial.