Moda startup

Os empresários Eduardo Glitz (à esq.), Pedro Englert (à dir.) e Marcelo Maisonnave se especializaram em investir em startups de tecnologia como fintechs e plataformas digitais de conteúdo. Mas, não contentes em estimular apenas o ecossistema das startups, eles resolveram dar uma força ao guarda-roupas dos chamados “startupeiros” e investiram na Yuool, marca de tênis feitos com lã de Merino, uma das mais nobres do mundo. “Acabou virando moda entre os donos de startups”, diz Eduardo Glitz. Os pares custam, em média, R$ 349 e são vendidos apenas pela internet. Por enquanto, estão sendo produzidos e vendidos 2,5 mil pares por mês. Mas o negócio vai ganhar tração. A Yuool acaba de montar uma filial na Itália para atender todo o mercado europeu. “E também estamos conversando com representantes nos Estados Unidos”, diz Glitz.

(Nota publicada na Edição 1094 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Ralphe Manzoni Jr.)

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago




Sobre o autor

Hugo Cilo é editor de negócios da Revista DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.