Moda startup

Os empresários Eduardo Glitz (à esq.), Pedro Englert (à dir.) e Marcelo Maisonnave se especializaram em investir em startups de tecnologia como fintechs e plataformas digitais de conteúdo. Mas, não contentes em estimular apenas o ecossistema das startups, eles resolveram dar uma força ao guarda-roupas dos chamados “startupeiros” e investiram na Yuool, marca de tênis feitos com lã de Merino, uma das mais nobres do mundo. “Acabou virando moda entre os donos de startups”, diz Eduardo Glitz. Os pares custam, em média, R$ 349 e são vendidos apenas pela internet. Por enquanto, estão sendo produzidos e vendidos 2,5 mil pares por mês. Mas o negócio vai ganhar tração. A Yuool acaba de montar uma filial na Itália para atender todo o mercado europeu. “E também estamos conversando com representantes nos Estados Unidos”, diz Glitz.

(Nota publicada na Edição 1094 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Ralphe Manzoni Jr.)


Mais posts

Picpay é big, brother

Criada em 2012 em uma incubadora no Espírito Santo, a PicPay é hoje a maior empresa de pagamentos digitais da América Latina. Os [...]

O lifting da Innovapharma

A Innovapharma, laboratório britânico especializado em biotecnologia, quer rejuvenescer seu modelo de negócio no Brasil. A partir deste [...]

A multiplicação do consignado

A fintech Consiga+ atingiu em dezembro um patrimônio líquido de R$ 108 milhões no FDIC de consignado privado, o maior de sua modalidade [...]

Força da natureza

Em busca de um pedaço do mercado de produtos naturais, que movimenta US$ 35 bilhões por ano no Brasil (dados da Euromonitor), a Boali [...]

É personalidade do ano

Depois da enxurrada de críticas por ter concedido ao presidente Jair Bolsonaro o prêmio Personalidade do Ano 2019, a Câmara de Comércio [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.