Edição nº 1057 16.02 Ver ediçõs anteriores

Missão cumprida

Missão cumprida

O Brasil encerrou, no fim de agosto, sua participação na Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (MINUSTAH). Para o comandante da missão, o general Ajax Porto Pinheiro, o sentimento é de cumprimento do dever. “Nós ajudamos o Haiti a alçar rumos mais altos”, disse o general, em entrevista ao serviço de notícias da ONU. “Nós e eles preparamos o avião. Eles vão decolar agora.” Os brasileiros ficaram 13 anos no país. Pinheiro destaca que, nesse período, as tropas conseguiram retirar gangues das ruas de três cidades, garantiram a segurança em três eleições presidenciais e ajudaram a recuperar o país de um furacão. Essa foi a maior operação militar brasileira no exterior desde o século 19.

(Nota publicada na Edição 1035 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A força da vitamina c

As vendas de suco de laranja nos Estados Unidos, maior mercado mundial do produto, registravam quedas consecutivas há cinco anos. Então [...]

Vitória quilombola

O Supremo Tribunal Federal (STF) manteve a validade do decreto que regulamenta a demarcação de terras quilombolas. Foi uma grande [...]

Carnaval biodegradável

A empresa Fulpel Group, fabricante de embalagens biodegradáveis, forneceu 100 mil copos para a Pernod Ricard, dona das marcas Absolut, de vodka, e Ballantine’s, de uísque. Os recipientes foram utilizados nos camarotes da empresa no carnaval da Bahia. Com isso, evitou-se que 266 quilos de plástico fossem para o meio ambiente. (Nota publicada na Edição […]

O valor da árvore

A indústria brasileira de base florestal, que inclui os setores de celulose e madeira, fechou 2017 com um saldo positivo de US$ 7,5 [...]

Chile contra a obesidade

O governo chileno está colocando em prática aquela que é considerada a mais rigorosa legislação contra os alimentos que engordam. A [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.