Giro

Ministra manda refazer nota que criticava guia alimentar

Crédito: Isac Nóbrega/PR

A ministra Tereza Cristina não teria gostado do documento elaborado pelo Ministério da Saúde (Crédito: Isac Nóbrega/PR)

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, pediu aos técnicos da pasta que reformulem a nota sobre o guia alimentar do País. O documento, que causou polêmica na semana passada, pedia ao Ministério da Saúde que removesse trechos com críticas aos alimentos industrializados. A decisão de revisar o conteúdo foi confirmada ao Estadão pela própria ministra.

Na nota, o Mapa classificava o Guia Alimentar Para a População Brasileira como um dos piores do mundo, mas não citava fontes ou evidências científicas como base dessa conclusão. Tereza Cristina devolveu o documento e pediu que seja refeito.

+ Exportações do agronegócio paulista avançaram 10,7% entre janeiro e agosto
+ Agropecuária ocupa considerável extensão de terra no bioma Amazônia

O guia, elaborado pela equipe técnica do Ministério da Saúde – e válido desde 2014, quando a edição mais atualizada foi publicada -, traz diretrizes sobre alimentação adequada e saudável para a população brasileira, com recomendações que privilegiam alimentos in natura ou pouco processados.

Nesta semana, dois cientistas das Universidades de Oxford (Reino Unido) e Harvard (Estados Unidos), autores de um estudo que analisou guias alimentares de dezenas de países, acusaram a Associação Brasileira de Indústria de Alimentos (Abia) de desonestidade, por, segundo eles, usar os resultados de sua pesquisa de forma distorcida para atacar o guia brasileiro.

A Abia endossou parte das críticas do Ministério da Agricultura ao documento e usou como uma das evidências da suposta falta de qualidade das diretrizes brasileiras um estudo internacional publicado neste ano no periódico científico The British Medical Journal (BMJ), um dos mais importantes do mundo, que avaliou as consequências da adoção de guias alimentares nacionais na saúde e no meio ambiente.

A pesquisa foi citada em posicionamento oficial da Abia, que pede a revisão do guia. Ao saberem que a pesquisa estava sendo usada para criticar o guia brasileiro, os cientistas divulgaram uma nota de esclarecimento em que afirmam que a declaração da Abia faz uma interpretação “grosseira” e um mau uso da publicação científica de autoria deles.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?