Mundo

Ministra espanhola da Saúde renuncia após escândalo

Ministra espanhola da Saúde renuncia após escândalo

A ministra espanhola da Saúde, Carmen Monton, 42 anos, se viu no centro das atenções por causa de seus mestres da Universidade Rey Juan Carlos, após um escândalo apelidado de "mastergate"

Carmen Montón, ministra espanhola da Saúde, renunciou nesta terça-feira após a revelação de irregularidades na obtenção de um título universitário, e é a segunda queda do governo socialista de Pedro Sánchez em apenas três meses.

“Comuniquei ao presidente do governo minha renúncia como ministra da Saúde, Consumo e Bem-Estar Social”, anunciou à imprensa.

O caso de Montón é o último em uma série de escândalos protagonizados por políticos espanhóis, suspeitos de obter títulos universitários por meio de fraude ou troca de favores.

Entre eles, está o líder da oposição conservadora, Pablo Casado, que obteve um controverso mestrado na mesma universidade de Carmen Montón, a Rei Juan Carlos de Madri.

A controvérsia em torno de Casado parece ter influenciado a renúncia de Montón. Caso ela continuasse no cargo, o governo socialista, minoritário no Parlamento, teria se privado de “uma maneira de criticar a oposição, que era relevante”, disse à AFP o analista político Pablo Simon.

A pressão cresceu ao longo do dia sobre a ministra, graduada em Medicina e com mestrado em Estudos de Gênero pela Universidade Rey Juan Carlos, obtido quando ela era deputada.

Depois de algumas primeiras revelações na segunda-feira, a publicação digital eldiario.es revelou nesta terça-feira que no final do curso, em junho de 2011, uma disciplina constava como “não apresentado”, mas em novembro daquele ano, de repente, tornou-se um “aprovado”.

A universidade reconheceu que havia uma manipulação de notas, e disse que estava revisando o arquivo “disciplina por disciplina” para “determinar responsabilidades”.

A própria Montón admitiu a manipulação em uma entrevista à rádio Cadena SER, e se defendeu dizendo que isso “escapa de [seu] âmbito de responsabilidade”.

Montón até recebeu o apoio de Pedro Sánchez, que disse à imprensa que ela “está fazendo um trabalho extraordinário e continuará a fazê-lo”.

Mas minutos depois a emissora La Sexta publicou um possível plágio em seu trabalho final do mestrado.

A renúncia de Carmen Montón é a segunda no governo de Pedro Sánchez desde que ele chegou ao poder, no início de junho.

A anterior foi do Ministro da Cultura, Maxim Huerta, que deixou o cargo apenas seis dias após ser empossado, quando foram reveladas irregularidades em sua declaração de imposto de renda.