Giro

Ministério da Saúde anuncia que vai comprar 46 milhões de doses da vacina chinesa

Crédito: Divulgação/Instituto Butantan

A Coronavac pode ser a primeira vacina liberada pela Anvisa no Brasil (Crédito: Divulgação/Instituto Butantan)

O Ministério da Saúde vai comprar 46 milhões de doses da vacina Coronavac, desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, hoje em teste com voluntários em São Paulo e que será produzida pelo Instituto Butantã. A informação foi confirmada ao Estadão pelo governo do Estado.

Segundo o Palácio dos Bandeirantes, a expectativa é comprar o produto até o final do ano, após registro na Anvisa, e iniciar a vacinação nacional em janeiro.

+ Cientistas alertam sobre desconfiança em relação à vacina anticovid
+ Governo da Espanha estudará toque de recolher para conter covid-19

A decisão encerra especulações que indicavam que poderia haver uma resistência do governo federal em adquirir as doses da vacina por causa de divergências entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o governador paulista João Doria (PSDB).



A Coronavac, segundo o Instituto Butantã, demonstra ser o imunizante em desenvolvimento no mundo com o menor índice de efeitos colaterais. Os dados levam em consideração o acompanhamento de 9 mil voluntários brasileiros já vacinados no País.

Apesar de indicativos positivos, a principal informação envolvendo a vacina chinesa, que é o índice de eficácia da vacina, deve ficar somente para o fim do ano, conforme revelou o Estadão.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel