Mundo

Milhares de ativistas participam no Dia Mundial da Limpeza do planeta

Dezenas de milhares de pessoas, equipadas com bolsas, redes e recipientes de todo tipo participam neste sábado de um dia mundial de limpeza, em praias, rios, lagos e ruas, recolhendo lixo e com pedidos de mudança de mentalidade.

Um dia depois de manifestações que reuniram milhões de pessoas ao redor do mundo para exigir políticas contra a mudança climática, os voluntários partiram para a ação, sob sol ou chuva, das praias de Manila às margens do Mediterrâneo.

A operação de limpeza em massa foi organizada pela fundação estoniana Let’s Do It, que pretende “conectar e empoderar as pessoas e organizações de todo o mundo para fazer com que nosso planeta fique livre do lixo”, de acordo com seu site oficial.

De acordo com dados da fundação, no ano passado 18 milhões de pessoas participaram do dia da limpeza em 157 países. Este ano, os organizadores citaram eventos em 160 nações.

A operação começou na Ásia. Os moradores de Fiji iniciaram o trabalho ao amanhecer, recolhendo o lixo de suas praias paradisíacas, retirando pneus e motores abandonados da costa, ao oeste da capital Suva.

Na praia australiana de Bondi, os ativistas avançavam pela areia para retirar pedaços de plástico e cigarros.

Nas Filipinas, quase 10.000 pessoas tentaram limpar a baía de Manila, muito contaminada.

A poluição por plástico é um grande problema no sudeste asiático, sobretudo nas Filipinas, China, Vietnã e Indonésia.

“Nós temos que ajudar o meio ambiente, especialmente aqui, em Manila, onde há muito lixo”, declarou à AFP Mae Angela Areglado, uma estudante de 20 anos, enquanto colaborava com a iniciativa, no bairro de Baseco da capital filipina.

“O plástico está afetando a vida marinha porque (os animais) acreditam que é comida”, completou.

Na França, os voluntários compareceram às praias em um dia ensolarado. O Ministério do Meio Ambiente informou que apenas no bairro financeiro de Paris, La Defense, foram recolhidas 12.528 bitucas de cigarro.

Mas o Dia Mundial da Limpeza foi abalado em Paris por novas cenas de vandalismo por parte de grupos “black block”, que se infiltraram tanto em uma manifestação ecológica como em um protesto paralelo, organizado todos os sábados pelos denominados “coletes amarelos”.

Os extremistas incendiaram contêineres, bicicletas e latas de lixo nas ruas da capital francesa. Para evitar problemas, as organizações Greenpeace e Youth for Climate pediram a seus simpatizantes que encerrassem a manifestação.

Em Nova York, a mobilização assumiu a forma de uma cúpula juvenil para o clima, a convite da ONU, que na próxima semana recebe os líderes do planeta.

“Mostramos que estamos unidos e que os jovens são imparáveis”, disse Greta Thunberg, ambientalista sueca de 16 anos cujas greves às sextas-feiras em frente ao parlamento sob o slogan “Sextas para o Futuro” se tornaram um movimento global.

– Da Ásia à Europa –

De acordo com um relatório da ONU, no ano passado 79% das 9 toneladas do plástico fabricado no mundo foram descartados.

Em Hanói, capital do Vietnã, 1.400 voluntários participaram na iniciativa.

“Embora nossas ações sejam muito pequenas, como limpar o lixo na calçada, podem enviar uma mensagem muito forte”, disse Hoang Thi Hoan, 19 anos, à AFP.

Na China, 30 pessoas se esforçavam para limpar o rio Xiaotaihou.

“Não se pode obter autorização para organizar grandes eventos em Pequim pelo dispositivo de segurança para as celebrações do 70º aniversário da fundação da China comunista”, explicou à AFP Zhang Hongfu, da ONG Amigos da Naturaleza.