Giro

Terra poderá deixar de ter vida por falta de oxigênio

Crédito: Pixabay

Quando a mudança vier, ela acontecerá rapidamente. Esta mudança levará o planeta de volta a algo como o estado em que estava antes, bilhões de anos atrás. (Crédito: Pixabay)

Por enquanto, a vida está florescendo em nosso planeta rico em oxigênio, mas a Terra nem sempre foi assim – e os cientistas previram que, no futuro, a atmosfera voltará a ser rica em metano e com baixo teor de oxigênio.

Isso provavelmente não acontecerá por mais um bilhão de anos ou mais. Mas quando a mudança vier, ela acontecerá rapidamente, sugere o estudo. Esta mudança levará o planeta de volta a algo como o estado em que estava antes, cerca de 2,4 bilhões de anos atrás.

+ Cientistas propõem criar peixes na lua para alimentar uma futura colônia

Além do mais, os pesquisadores por trás do novo estudo dizem que o oxigênio atmosférico provavelmente não será uma característica permanente dos mundos habitáveis ​​em geral, o que tem implicações em nossos esforços para detectar sinais de vida no Universo.



Nesse ponto, será o fim do caminho para os seres humanos e a maioria das outras formas de vida que dependem de oxigênio para passar o dia, então esperemos descobrir como sair do planeta em algum ponto nos próximos bilhões de anos.

Para chegar às suas conclusões, os pesquisadores executaram modelos detalhados da biosfera da Terra, levando em consideração as mudanças no brilho do Sol e a queda correspondente nos níveis de dióxido de carbono, à medida que o gás é decomposto por níveis crescentes de calor. Menos dióxido de carbono significa menos organismos fotossintetizantes, como plantas, o que resultaria em menos oxigênio.

Os cientistas previram anteriormente que o aumento da radiação do Sol limparia as águas do oceano da face do nosso planeta em cerca de 2 bilhões de anos , mas o novo modelo – baseado em uma média de pouco menos de 400.000 simulações – diz que a redução no oxigênio vai matar fora da vida primeiro.

O que torna o estudo particularmente relevante para os dias atuais é a nossa busca por planetas habitáveis ​​fora do Sistema Solar. Telescópios cada vez mais poderosos estão se tornando on-line, e os cientistas querem saber o que devem procurar nas resmas de dados que esses instrumentos estão coletando.

É possível que precisemos procurar outras bioassinaturas além do oxigênio para ter a melhor chance de detectar vida, dizem os pesquisadores. O estudo deles faz parte do projeto NASA NExSS (Nexus for Exoplanet System Science), que está investigando a habitabilidade de outros planetas além do nosso.

De acordo com os cálculos feitos por Reinhard e pelo cientista ambiental Kazumi Ozaki, da Toho University no Japão, a história habitável rica em oxigênio da Terra pode acabar durando apenas 20-30% da vida do planeta como um todo – e a vida microbiana vai durar em existir muito depois de partirmos.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago