Ciência

Metade da Humanidade é chamada ao confinamento por coronavírus

Metade da Humanidade é chamada ao confinamento por coronavírus

Médico especializado iraquiano verifica a temperatura de uma mulher no subúrbio de Sadr City, capital de Bagdá - AFP


Mais de 3,9 bilhões de pessoas, metade da população mundial, já foram convidadas, ou forçadas, a ficarem em casa para combater a disseminação da COVID-19 – conforme balanço estabelecido pela AFP nesta quinta-feira (2).

Na forma de confinamentos obrigatórios, ou recomendados, toque de recolher, ou quarentena, essas medidas afetam mais de 90 países, ou territórios.
Dois presidentes emergem da crise; nenhum deles joga xadrez

Medidas tributárias são as mais adotadas, diz Insper

A implementação do toque de recolher na Tailândia (a partir de sexta-feira) foi a medida que permitiu atingir o limiar de 50% da Humanidade.

Pelo menos 2,7 bilhões de habitantes, em 49 países e territórios, foram obrigados a se confinarem.

Nenhuma região do mundo é poupada: Europa (Itália, Espanha, França, Reino Unido), Ásia (Índia, Nepal, Sri Lanka…), Oriente Médio (Iraque, Jordânia, Líbano, Israel), África (África do Sul, Marrocos, Madagascar), Américas (Colômbia, Argentina, Peru e grande parte dos Estados Unidos) e Oceania (Nova Zelândia).

A Eritreia é o último país a se juntar à lista.

Na maioria dos casos, as pessoas podem deixar suas casas para ir ao trabalho, fazer compras de produtos básicos, ou ir ao médico.

Outros territórios (pelo menos dez, com 600 milhões de habitantes) pedem que seus cidadãos fiquem em casa, mas não os obrigam a fazê-lo. É o caso do México, dos principais estados do Brasil, assim como de Irã, Alemanha, Uganda e Canadá.

Pelo menos outras 26 nações, ou territórios (cerca de 500 milhões de habitantes), impuseram toque de recolher.

É algo que tem sido visto em muitos países da América Latina, como Chile, Guatemala, Equador, República Dominicana, Panamá e Porto Rico, mas também na África (Egito, Quênia, Costa do Marfim, Burkina Faso, Mali, Senegal, Serra Leoa, Mauritânia e Gabão).

Da mesma forma, pelo menos sete países colocaram em quarentena suas principais cidades e proibiram entradas e saídas. É o caso de Kinshasa, Riade, Helsinque, entre outras.