Ciência

Meta abre ao público plataforma de realidade virtual para impulsionar seu metaverso

Crédito: AFP

A Horizon Worlds está longe de ser um metaverso completamente terminado, uma espécie de internet do futuro em que experiências online (Crédito: AFP)

A empresa matriz do Facebook, Meta, abriu nesta quinta-feira (9) ao público, em Estados Unidos e Canadá, sua plataforma de realidade virtual Horizon Worlds, o novo passo para a construção de sua visão do metaverso do futuro.



A Horizon Worlds está longe de ser um metaverso completamente terminado, uma espécie de internet do futuro em que experiências online, como falar com os amigos, poderiam simular situações presenciais graças aos dispositivos de realidade virtual.

No entanto, os usuários já podem se reunir na nova plataforma para conversar, jogar e construir seus próprios mundos virtuais, desde que tenham mais de 18 anos e o equipamento apropriado.

+Euforia por metaverso impulsiona a compra de imóveis virtuais

Desde o ano passado, uma versão de testes da Horizon Worlds foi disponibilizada para um número limitado de usuários.

+ Especialista revela o segredo dos bilionários da bolsa. Inscreva-se agora e aprenda!



Com o objetivo de ressaltar seu novo objetivo como empresa, o Facebook renomeou a empresa matriz para Meta, com a intenção de deixar para trás a imagem de uma rede social propensa às polêmicas, por uma nova visão como a plataforma de realidade virtual do futuro.

“Queremos que a Horizon Worlds seja um ambiente seguro no qual todos possam seguir nossa política de conduta na realidade virtual”, diz o anúncio da empresa na inauguração.

“Há várias opções de segurança […] que permitem fazer uma pausa e depois bloquear, silenciar ou reportar outros usuários”, acrescentou.

As principais redes sociais da Meta, Facebook e Instagram, vêm lutando para deixar para trás a crise desencadeada, em setembro de este ano, por um enorme vazamento de documentos internos aos jornalistas e às autoridades dos Estados Unidos pela delatora Frances Haugen.

Os documentos vazados geraram artigos contra a empresa de Mark Zuckerberg argumentando que, apesar de ter conhecimento de que alguns de seus produtos poderiam ser nocivos aos usuários, ela escolheu priorizar o crescimento sobre a segurança.

O caminho para o metaverso da companhia também inclui ferramentas de trabalho remoto, uma atividade que aumentou consideravelmente com a pandemia.

Em agosto, a empresa apresentou uma tecnologia de “workrooms” (“salas de trabalho”, em tradução livre do inglês) que permite a colaboração remota entre os usuários com acesso ao dispositivo Oculus de realidade virtual.

O projeto “Horizon Workrooms” permite mudar rapidamente de espaços de trabalho virtuais para videoconferências e se adaptar a diferentes situações de trabalho.