Mesmo em guerra com a Ucrânia, Putin não vai esquecer a América Latina. Entenda

Crédito: Alan Santos/Presidência da República

Depois de ter se encontrado com os presidentes da Argentina e do Brasil (na foto, a visita de Bolsonaro à Rússia), Putin se aproxima do continente e manda recado para os Estados Unidos: “Também estamos por aqui” (Crédito: Alan Santos/Presidência da República)

Em um momento em que as relações entre Brasil e Russia parecem mais próximas do que nunca um provérbio famoso do país europeu define a posição do presidente russo, Vladimir Putin, com os líderes da América Latina. “В чужой монастырь со своим уставом не ходят”. Traduzo: “Ninguém passeia pelo convento dos outros com suas próprias regras”, ou dance conforme a música, no bom português. O encontro entre o presidente Jair Bolsonaro e o líder russo não foi a primeira investida recente dele por aqui, e nem será a última. Este mês ele recebeu a visita do esquerdista Alberto Fernández, presidente da Argentina. E não para por aí. Além das parcerias já conhecidas com Bolívia, Cuba, Nicarágua e Venezuela, Putin planeja se aproximar dos presidentes do Chile, Colômbia e Peru. Tudo isso adaptado aos anseios de seus potenciais novos aliados latinos e já pensando no efeito que a guerra deflagrada contra Ucrânia na madrugada de quinta-feira (24) poderia trazer.

Confira quem são os jogadores brasileiros que estão na Ucrânia



A análise é do diretor do Oxford Centre for the Analysis of Resource-Rich Economies, Tony Venables. Em uma palestra sobre o andamento da economia mundial e o papel da Rússia no mercado internacional, a América Latina ganhou destaque. Segundo ele, as aproximações conhecidas com Cuba e Venezuela, que envolvem a vacina contra a Covid, no caso de Cuba e extração de petróleo no caso da Venezuela, devem se expandir nos próximos anos. “À medida que a região periférica da América Latina se levanta contra a figura imponente dos Estados Unidos, abre-se espaço para novos parceiros”, disse. 

Mas o pulo do gato está entre países que não se relacionavam tão abertamente com os russos, como Brasil e Argentina. “O curioso da agenda de Putin em fevereiro é que ele encontrou dois presidentes com perfis completamente diferentes em duas semanas e teve a mesma receptividade”, disse Venables. Argentina, Bolívia, Cuba e Paraguai, por exemplo, receberam carregamentos da vacina Sputnik V.

Agora, com a invasão russa à Ucrânia, o cenário muda um pouco. Stephen Broadberry, professor de história da economia da Nuffield College,  afirma que Putin terá que manter firme ao seu lado os aliados e ficará atento ao movimento da China e cobrando neutralidade de países, como o Brasil e a Argentina, que o visitaram. “E essa será a estratégia para o mundo pós-pandemia.” A decisão de Putin, de iniciar uma guerra contra a Ucrânia não foi pensada de uma hora para outra e, como diz outro ditado russo.  “Семь раз отмерь, один раз отрежь” (meça sete vezes, corte uma vez, na tradução livre). 

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia





Sobre o autor


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright ©2022 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.