Edição nº 1087 14.09 Ver ediçõs anteriores

Mercado Livre passa a emprestar dinheiro aos lojistas de seu marketplace

Depois de testar modelo por seis meses no Brasil, companhia anuncia a criação da divisão Mercado Crédito

Mercado Livre passa a emprestar dinheiro aos lojistas de seu marketplace

O executivo Túlio Oliveira, diretor do Mercado Pago no Brasil

As fintechs de crédito ganharam mais um concorrente nesta terça-feira 30. E um competidor de peso. O Mercado Livre confirmou que vai emprestar dinheiro aos de seu marketplace.

Para isso, a empresa criou uma divisão batizada de Mercado Crédito para atuar nessa área como uma financeira. “Estamos entrando em um segmento em que os bancos não atendem”, disse Túlio Oliveira, diretor do Mercado Pago no Brasil, a plataforma de pagamentos do Mercado Livre. “Nosso objetivo é melhorar o nosso ecossistema.”

O Mercado Crédito já opera no México e na Argentina. No Brasil, ficou em testes durante seis meses. Nesse período, foram contratadas 18 mil linhas de crédito. O total emprestado atingiu R$ 250 milhões.

O Mercado Livre vai usar a gigantesca base de dados de seus clientes para fornecer crédito. Um sistema desenvolvido internamente pela companhia, que usa recursos de inteligência artificial, vai analisar mais de 400 variáveis de comportamento do usuário, como seu histórico de vendas, sua reputação e o uso de tecnologias. Com base nesses dados, o programa analisa o risco e faz uma oferta pré-aprovada ao lojista. “Nos mercados onde atuamos, a taxa de inadimplência varia entre 2% e 3,5%”, afirmou Martin de Los Santos, vice-presidente sênior do Mercado Crédito na América Latina.

As taxas de juros começam 2,25% e podem chegar a 5,5%. Não é cobrada comissões ou tarifas extras. O dinheiro, depois de contratado o crédito, é depositado na conta online do lojistas. O valor mínimo a ser emprestado é de R$ 5 mil. O máximo, R$ 350 mil. O valor tem ser pago em até 12 meses. “Em dois cliques, o lojista consegue o empréstimo.”

A ideia do Mercado Livre é expandir a oferta de crédito para os compradores de seu marketplace. Um piloto está sendo feito na Argentina, mas os executivos não se comprometeram com um prazo para que essa oferta ganhe escala.

Neste momento, o Mercado Livre está usando capital próprio para fornecer crédito aos seus lojistas. Ele criou um FIDC (Fundo de Investimento em Direitos Creditórios) e busca investidores para esse fundo. O Banco Topázio e a financeira MoneyPlus são também parceiros desse novo braço de negócios do Mercado Livre.

O Mercado Crédito é mais um componente do ecossistema do Mercado Livre. O seu negócio principal é a venda de produtos, na qual ganha uma comissão. Mas ao redor dele, orbitam vários outras divisões.

Um exemplo é o Mercado Envios, para a entrega dos produtos vendidos pelos lojas. Outro é a parte de classificados, para as áreas de veículos, imóveis e serviços. O Shops permite a criação de websites para potencializar as vendas. E o Mercado Pago é um meio de pagamento, usado dentro da plataforma.

O vice-presidente executivo do Mercado Livre, Stelleo Tolda, tem dito e repetido que o Mercado Pago tem potencial para ser muito maior do que o Mercado Livre. Hoje, ele não está restrito às vendas no marketplace e pode ser usado fora das fronteiras do Mercado Livre.

Assista a este trecho da entrevista concedida por Stelleo ao programa MOEDA FORTE, na qual ele fala sobre o Mercado Pago.

Tópicos

mercado livre

Mais posts

Herdeiro do Itaú investe em startup de saúde

O médico José Luiz Setúbal, um dos acionistas do banco Itaú Unibanco, é um dos investidores da startup Amparo Saúde

Monashees e XP investem em fintech de crédito

A Rebel, dos empreendedores André Botelho Bastos, Daniel Shteyn e Rafael Pereira, está acertando os últimos detalhes de um aporte série A

Simpress, agora, aposta na terceirização de computadores e smartphones

Companhia, que atua na terceirização de impressoras e multifuncionais, espera “alugar” 100 mil equipamentos em 2019 com nova área

Dotz cria empresa independente de incentivos

A Dotz Incentivos nasce com 30 clientes e mais de 150 mil participantes. Em três anos, a meta é faturar R$ 100 milhões

OLX testa meio de pagamento em seu marketplace

A ideia é criar uma plataforma que permita que seus usuários possam pagar pela compra dos produtos diretamente pelo portal, assim como [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.