Economia

Mercado de trabalho surpreende na zona do euro, mas desemprego ameaça, diz ING

A queda na taxa de desemprego da zona do euro em novembro aponta para a surpreendente resiliência do mercado de trabalho em meio à recente onda de casos de coronavírus na Europa, destaca o ING, em relatório enviado a clientes. O banco, no entanto, acredita que essa tendência não é sustentável, uma vez que é fruto dos efeitos de medidas fiscais temporárias.

Segundo a análise da instituição, esses programas fiscais podem apenas ter adiado o desemprego. “As falências são um fator muito incerto para este ano, mas devem aumentar, o que impulsionará o desemprego. O fim dos esquemas de trabalho de curta duração e o impacto negativo da segunda onda provavelmente farão o mesmo”, explica.

O ING acrescenta que a melhora do indicador também é possibilitada pelo fato de que muitos trabalhadores simplesmente desistiram de buscar emprego. “Portanto, embora a evolução do desemprego seja muito encorajadora até novembro, é provável que aumente novamente este ano”, prevê.



Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel