Menu australiano no prato dos cearenses

Menu australiano no prato dos cearenses

A rede de restaurantes de frutos do mar Coco Bambu, do empresário cearense Afrânio Barreira, está negociando com dois fundos de investimentos para entrar no páreo da compra do Outback Steakhouse Brasil, especializada em culinária australiana. A informação está confirmada, mas os sócios ainda não revelam o nome dos fundos. Apenas confirmaram que os primeiros contatos para viabilizar a negociação já estão em estágio avançado. Em 2019, a empresa brasileira chegou ao primeiro R$ 1 bilhão de faturamento, com a abertura de 39 lojas. Outras oito unidades estão prestes a abrir as portas.

Divulgação

(Nota publicada na edição 1158 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Energia automatizada

A distribuidora de energia Enel, sob comando do presidente Nicola Cotugno, investiu R$ 870 milhões para automatizar seu sistema de leitura e cobrança de consumo. No ano passado, o grupo instalou cerca de 20 mil equipamentos telecomandados, um aumento de 17% em relação ao ano anterior. O projeto focou São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás […]

Dólar mais barato

Em tempos de dólar nas alturas, a corretora Meu Câmbio está apostando em uma nova plataforma para envio e recebimento de recursos com [...]

O novo fiador do BTG pactual

O BTG Pactual, maior banco de investimentos da América Latina, segue firme em sua estratégia de incorporar fintechs e expandir seus [...]

Eventos em alta

Uma das maiores agências de eventos do País, o Grupo MM está enxergando o reaquecimento da economia em seus números. Em janeiro, a [...]

A negócios ou lazer

Maior rede hoteleira do mundo, a americana Wyndham Hotels & Resorts está ampliando seu portfólio no Brasil. A empresa vai abrir o [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.