Menos zona em Brasília, mais zona em Manaus

Menos zona em Brasília, mais zona em Manaus

Que a recuperação da economia brasileira dependerá das políticas ambientais da turma de Brasília, muita gente já se deu conta. Mas o que nem todos concordam é que o desenvolvimento econômico e social na região amazônica está condicionado a como o governo federal irá cuidar da Zona Franca de Manaus.

A tese é do superintendente da Fundação Amazônia Sustentável (FAS), Virgilio Viana. Ele afirma que parte da solução é fortalecer o atual parque industrial e criar um mecanismo financeiro para gerar recursos ao Fundo de Desenvolvimento Sustentável para a Amazônia Ocidental. “Há soluções que passam por profunda e radical mudança do governo, e isso envolveria nova narrativa e estratégia para enfrentar os problemas.”

(Nota publicada na edição 1202 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Sobre o autor

Hugo Cilo é editor de negócios da Revista DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.