Edição nº 1057 16.02 Ver ediçõs anteriores

Melinda Gates e o futuro do trabalho

Melinda Gates e o futuro do trabalho

Em artigo publicado na rede social Linkedin, Melinda Gates, que comanda a Bill & Melinda Gates Foundation, a maior fundação beneficente do mundo, criticou a cultura “workaholic” americana. Para a filantropa, as empresas estão defasadas. “O ambiente de trabalho americano foi concebido supondo-se que os trabalhadores teriam companheiras que ficassem em casa fazendo o trabalho doméstico”, disse. “Isso não era verdade no passado e, definitivamente, não é hoje.” Como resultado, as mulheres, principalmente, acabam sobrecarregadas. “Estamos enviando nossas filhas para um ambiente desenhado para nossos pais”, definiu Melinda, uma das mulheres mais ricas do mundo.

(Nota publicada na Edição 1040 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A força da vitamina c

As vendas de suco de laranja nos Estados Unidos, maior mercado mundial do produto, registravam quedas consecutivas há cinco anos. Então [...]

Vitória quilombola

O Supremo Tribunal Federal (STF) manteve a validade do decreto que regulamenta a demarcação de terras quilombolas. Foi uma grande [...]

Carnaval biodegradável

A empresa Fulpel Group, fabricante de embalagens biodegradáveis, forneceu 100 mil copos para a Pernod Ricard, dona das marcas Absolut, de vodka, e Ballantine’s, de uísque. Os recipientes foram utilizados nos camarotes da empresa no carnaval da Bahia. Com isso, evitou-se que 266 quilos de plástico fossem para o meio ambiente. (Nota publicada na Edição […]

O valor da árvore

A indústria brasileira de base florestal, que inclui os setores de celulose e madeira, fechou 2017 com um saldo positivo de US$ 7,5 [...]

Chile contra a obesidade

O governo chileno está colocando em prática aquela que é considerada a mais rigorosa legislação contra os alimentos que engordam. A [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.