Edição nº 1074 15.06 Ver ediçõs anteriores

Melinda Gates e o futuro do trabalho

Melinda Gates e o futuro do trabalho

Em artigo publicado na rede social Linkedin, Melinda Gates, que comanda a Bill & Melinda Gates Foundation, a maior fundação beneficente do mundo, criticou a cultura “workaholic” americana. Para a filantropa, as empresas estão defasadas. “O ambiente de trabalho americano foi concebido supondo-se que os trabalhadores teriam companheiras que ficassem em casa fazendo o trabalho doméstico”, disse. “Isso não era verdade no passado e, definitivamente, não é hoje.” Como resultado, as mulheres, principalmente, acabam sobrecarregadas. “Estamos enviando nossas filhas para um ambiente desenhado para nossos pais”, definiu Melinda, uma das mulheres mais ricas do mundo.

(Nota publicada na Edição 1040 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A exploração do Ártico

Mais de 4 milhões de pessoas vivem ao norte do Círculo Ártico. Quase metade dessa população está na Rússia e o restante se espalha [...]

Porto seguro para as aves

A cidade baiana de Porto Seguro é conhecida pelas praias e sua agitada vida noturna. No entanto, ao perceber a vocação da região para a [...]

Novas metas

A varejista sueca Ikea anunciou novas metas para o uso de materiais recicláveis e renováveis na produção de seus móveis. Até 2030, a [...]

Vidro é bom

Criado em 2010 pela operação local da britânica Diageo, responsável por marcas de bebidas como Smirnoff e Johnnie Walker, o programa [...]

Logística verde

O Brasil constatou a sua dependência do transporte viário durante a greve dos caminhoneiros em maio. No dia 4 de julho, será apresentado o manual de boas práticas do Programa de Logística Verde, uma iniciativa de acadêmicos e de 22 empresas, como Scania, Coca-Cola, Clarient, Dow e Heineken. A meta é reduzir 43% das emissões […]

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.