Giro

Melbourne volta a decretar confinamento contra o coronavírus

Melbourne volta a decretar confinamento contra o coronavírus

Mais de cinco milhões de moradores de Melbourne serão afetados pelo confinamento - AFP

As autoridades decretaram nesta terça-feira (7) um novo confinamento dos habitantes de Melbourne, a segunda maior cidade da Austrália, com quase cinco milhões de habitantes, para frenar a propagação do novo coronavírus.

O confinamento começará à meia-noite e deve durar pelo menos seis semanas, anunciou o primeiro-ministro do estado de Victoria, Daniel Andrews.

“Não podemos fingir que a pandemia de COVID-19 terminou”, afirmou Andrews ao explicar a decisão.

Índia supera 20.000 mortes por coronavírus

Hidroxicloroquina a longo prazo não protege das formas graves da COVID-19, afirma estudo

O anúncio do confinamento aconteceu depois da divulgação que a cidade registrou 191 novos casos da doença nas últimas 24 horas.

“Estes números não podem continuar”, disse Andrews.

“Ninguém deseja ficar nesta situação”, declarou o chefe de Governo provincial, antes de reconhecer que aceitar as restrições “será muito difícil” para a população.

O novo confinamento prevê o fechamento dos centros de ensino, o que obrigará a maioria dos alunos a acompanhar as aulas de maneira virtual.

Restaurantes e cafés só podem vender comidas e bebidas para retirada.

“Esta é a única decisão possível, porque em caso contrário potencialmente teremos milhares e milhares de casos adicionais”, disse Andrews à imprensa.

O novo confinamento dos habitantes de Melbourne se une ao isolamento do estado de Victoria, que fechou a partir da manhã desta terça-feira as fronteiras com o restante do país.

Policiais e militares controlam dezenas de pontos de fronteira e as forças de segurança mobilizaram aviões e drones para controlar o respeito ao isolamento.

Até agora, as autoridades haviam decretado confinamentos parciais em Melbourne que afetavam 300.000 habitantes.

O confinamento deve prosseguir, a princípio, até 29 de julho.

As restrições são as mais estritas adotadas na Austrália desde o início da pandemia em dezembro. O país registrou mais de 9.000 casos de coronavírus e 109 mortes.

Atualmente, a maioria dos casos de COVID-19 na Austrália se concentram em Melbourne. Nas outras regiões do país, as autoridades começam a flexibilizar as restrições adotadas para lutar contra a pandemia.

Veja também

+ Quarta parcela do auxílio sai hoje (14) para os nascidos em agosto

+ Cunhado de Maradona morre de Covid-19 na Argentina

+ Nazistas ou extraterrestres? Usuário do Google Earth vê grande ‘navio de gelo’ na costa da Antártida

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?