Giro

Médico antivacina ganha espaço nos EUA e se beneficia com fake news

Crédito: Reprodução/YouTube

Mercola posta vídeos e artigos contra a vacina da covid-19 em seus perfis nas redes sociais (Crédito: Reprodução/YouTube)

O médico antivacina Joseph Mercola, responsável por artigos e vídeos espalhando fake news sobre os imunizantes contra a covid-19, foi uma das figuras que mais se beneficiaram com a desinformação em torno do tema, segundo levantamento feito pelo jornal The New York Times.

Mercola já foi alvo de sanções e investigações por adotar tratamentos não liberados pela ciência e recentemente publicou artigo afirmando que as vacinas são uma “fraude médica”. Em sua visão, vacinas não previnem infecções, não oferecem imunidade, nem impedem a transmissão da doença.

+ Pfizer: intervalo de vacinação pode cair de 3 meses para 21 dias, diz ministro

E a estratégia de Mercola é a seguinte: ao invés de refutar diretamente o poder das vacinas, ele questiona a validade de estudos que fundamentam os imunizantes e consegue propagar sua visão pelas redes. Além disso, ele adota a prática de diminuir tratamentos científicos para viabilizar a venda de produtos com fabricação própria em sua loja, fazendo da desinformação uma verdadeira indústria.



De acordo com o jornal norte-americano, o artigo ganhou traduções para o espanhol e polonês e viralizou na comunidade anti-vacina fora dos EUA. No Facebook, de acordo com a ferramenta CrowdTangle, o artigo de Mercola recebeu interação de pelo menos 400 mil usuários e ajudou a difundir a ideia de que “vacinas alteram sua codificação genética, fazendo de você uma fábrica de proteínas virais que não tem um botão de desligamento”.

Neste período de pandemia, Mercola já publicou mais de 600 artigos em seu site oficial e páginas de redes sociais, além dos diversos vídeos que produziu em seu canal no YouTube com entrevistas e conversas envolvendo outros médicos.

A profunda movimentação digital o colocou em uma lista de 12 pessoas que são consideradas responsáveis pela proliferação de fake news sobre a covid-19. Segundo a ONG Countering Digital Hate, integram a lista o sobrinho do ex-presidente John Kennedy, Robert F. Kennedy Jr.,e Erin Elizabeth, responsável pelo site Health Nut News e namorada de Mercola. Kenndey Jr. foi, inclusive, banido do Instagram por veicular informações falsas.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago