Ciência

Medicamentos representam risco ambiental global, alertam especialistas

Medicamentos representam risco ambiental global, alertam especialistas

Há receios crescentes de que o uso descontrolado de antibióticos na medicina e na agricultura terá efeitos adversos no meio ambiente e na saúde humana - AFP/Arquivos

Resíduos de bilhões de doses de antibióticos, analgésicos e antidepressivos representam um risco significativo para os ecossistemas de água doce e a cadeia alimentar global, disse uma nova análise nesta quinta-feira.

Há receios crescentes de que o uso descontrolado de antibióticos na medicina e na agricultura terá efeitos adversos no meio ambiente e na saúde humana.

Quando animais e humanos ingerem medicamentos, até 90% dos ingredientes ativos são excretados de volta ao ambiente.

Muitos medicamentos são simplesmente descartados – apenas nos Estados Unidos, estima-se que um terço dos quatro bilhões de medicamentos prescritos a cada ano acabam no lixo.

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) comparou dados de concentrações de resíduos farmacêuticos em amostras de água em todo o mundo, assim como tendências de prescrição e regulamentos de purificação da água em vários países.

Um estudo citado em seu relatório estima que 10% de todos os produtos farmacêuticos são potencialmente prejudiciais ao meio ambiente – incluindo hormônios, analgésicos e antidepressivos.

A OCDE disse que o uso de antibióticos na pecuária deve aumentar em mais de dois terços na próxima década, alimentando preocupações com a resistência a antibióticos.

As prescrições para humanos também devem aumentar drasticamente, de acordo com o relatório.

“Estamos vendo engenharia constante de novos produtos farmacêuticos e vendo práticas clínicas evoluírem para incluir recomendações de tratamento precoce e doses mais altas”, disse a principal autora do relatório, Hannah Leckie.

Outro estudo citado apontou que concentrações “extremamente altas” de produtos farmacêuticos já haviam sido detectadas em vias aquáticas na China, Índia, Israel, Coreia do Sul e Estados Unidos.

Somente na Grã-Bretanha, etinilestradiol, diclofenaco, ibuprofeno, propranolol e antibióticos estão presentes no escoamento de 890 estações de tratamento de águas residuais em níveis suficientemente altos para causar “efeitos ambientais adversos”, segundo outro estudo.

“Os resíduos de produtos farmacêuticos foram detectados nas águas superficiais e subterrâneas em todo o mundo”, disse Leckie. “No entanto, ainda há muito que não sabemos sobre sua ocorrência e sabemos ainda menos sobre as concentrações que encontramos”.

Mais de 700.000 pessoas morrem a cada ano de infecções resistentes a medicamentos. À medida que a população global cresce e envelhece e as taxas de prescrição continuam a subir, esse número deve atingir 10 milhões por ano até 2050 – maior que o número de pessoas que morrem de câncer.

“A menos que sejam tomadas medidas adequadas para gerenciar os riscos, os resíduos farmacêuticos serão cada vez mais liberados no meio ambiente, à medida que o envelhecimento da população, os avanços nos cuidados com a saúde e a intensificação da produção de carne e peixe estimulam a demanda por produtos farmacêuticos em todo o mundo”, afirmou o relatório.

E a situação deve ficar ainda mais aguda à medida que as mudanças climáticas aumentarem a propagação e a frequência de doenças infecciosas, como malária e dengue.