Giro

Medicamentos contra Covid-19 usados no Brasil são suspensos nos EUA

Crédito: Pixabay

Os anticorpos monoclonais são proteínas que imitam o sistema de defesa natural do organismo (Crédito: Pixabay)

O uso dos anticorpos monoclonais casirivimabe e imdevimabe, da Regeneron, e bamlanivimabe e etesevimabe, da Eli Lilly, que são autorizados no Brasil, foi suspenso pela Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos.

“Como os dados mostram ser altamente improvável que esses tratamentos sejam ativos contra a variante Ômicron, que circula em uma frequência muito alta nos Estados Unidos, esses tratamentos não estão autorizados para uso em nenhum estado, território e jurisdição dos EUA no momento”, diz o comunicado da diretora do Centro de Avaliação e Pesquisa de Medicamentos da FDA, Patrizia Cavazzoni, publicado nesta segunda-feira (24).



Os anticorpos monoclonais são proteínas que imitam o sistema de defesa natural do organismo. Os medicamentos, indicados para doentes de alto risco, receberam aprovação de uso emergencial no ano passado e foram administrados em milhões de pacientes nos Estados Unidos.

Número de trabalhadores afastados por covid subiu 166% em 2021

O comunicado alerta sobre outras terapias para o tratamento de pacientes com sintomas leves de Covid-19, como os anticorpos Paxlovid, sotrovimab, Veklury (remdesivir) e molnupiravir, que têm alto risco de progressão para doença grave, com hospitalização e morte.

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


Cavazzoni reforça que os tratamentos autorizados não substituem a vacinação com adição da dose de reforço. “Os dados demonstraram claramente que as vacinas disponíveis são seguras e eficazes e podem reduzir o risco de desenvolver Covid-19, progressão da doença, hospitalização e morte”, disse a diretora do FDA.