Geral

Matemática é desafio do 2º dia de Enem

Cerca de 4 milhões de estudantes participam neste domingo, 11, do 2.º dia do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Neste ano, candidatos têm 30 minutos a mais no 2.º dia de prova. Serão cinco horas para responder questões de Matemática e de Ciências da Natureza, que incluem Biologia, Física e Química.

No primeiro fim de semana, foi aplicada a prova de Linguagens, Ciências Humanas e a Redação. Agora, é a Matemática que deve ser tratada como prioridade por aqueles que tentam vaga em cursos concorridos, segundo professores de cursinho.

“É uma disciplina com padrão diferente das demais, com um grande número de notas abaixo da média e também a que tem as maiores notas individuais”, explica Fernando da Espiritu Santo, coordenador do Sistema de Ensino Poliedro.

Isso se deve ao método de avaliação do Enem, a Teoria de Resposta ao Item (TRI). As perguntas são divididas entre fáceis, médias e difíceis. Por meio de estatísticas, o sistema analisa o padrão de respostas de cada aluno e determina o peso das questões com base em seus acertos e erros.

Se o concorrente acerta muitos itens difíceis, mas erra vários fáceis, as questões corretas têm peso reduzido. O objetivo da TRI é evitar que candidatos pontuem com “chutes”. “Nessa prova, o Enem consegue segmentar bem alunos que dominam o conteúdo dos que não o dominam.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel