Edição nº 1147 18.11 Ver ediçõs anteriores

Mateja Gravner e os vinhos laranja

Filha de Josko Gravner, ela apresenta o projeto do seu pai mundo afora

Mateja Gravner e os vinhos laranja

Mateja Gravner, que corre o mundo apresentando os vinhos da família

Na história do vinho moderno, certamente cabe um capítulo para contar a sagra da vinícola Gravner. Localizada no norte da Itália, fronteira com a Eslovênia, e com metade dos vinhedos em cada país, esta vinícola familiar colocou as antigas ânforas de barro em destaque e mostrou que a maneira ancestral de elaborar vinhos, sem a utilização de qualquer química, no vinhedo e na vinícola, e com as uvas fermentando junto com as cascas, deve, ao menos, ser respeitada. E, por que não, seguida. Nesta saga, o personagem principal é Josko Gravnier, o patriarca, que ousou contrariar as regras vigentes da indústria do vinho na década de 1990.

Cabe à Mateja Gravnier, uma de suas filhas, divulgar esta história. Responsável pelo marketing e o comercial da vinícola familiar, ela viaja o mundo contando a história da vinícola e observando os consumidores. “É preciso conversar com as pessoas, entender como elas percebem o nosso vinho”, me contou ela quando passou pelo Brasil em 2016. Ela veio para cá para participar da feira Naturebas, que reúne produtores que elaboram vinhos naturais, orgânicos ou biodinâmicos. Na ocasião, ela contou que se surpreendeu na maneira como os brasileiros recebem bem os seus vinhos, apelidados de laranja, para desespero do seu pai, Josko. “Em vários mercados, as pessoas têm interesse, mas nem sempre apreciam o sabor dos nossos vinhos”, contou ela.

Na vinícola, as uvas fermentam em 46 ânforas, que estão enterradas no solo. São potes de terracota adquiridos na Georgia, onde o vinho surgiu. Na década de 1990, Josko Gravnier estava inconformado com os seus vinhos, apesar de eles fazem muito sucesso com os consumidores. Sentia, entre outras coisas, que o vinho não lembrava a uva que lhe havia dado origem. Em 1996, decidiu elaborar o ribolla (a sua uva branca autóctone) de quatro maneiras distintas: com e sem levedura selecionada e fermentando com e sem as cascas. O resultado do branco fermentado sem a adição de leveduras e com as cascas lhe fez apostar no novo caminho, nesta volta ao passado. Mas agora com todo o conhecimento de enologia.

E é esta história que Mateja leva ao mundo e também aos que visitam a vinícola, enquanto Josko e sua irmã Jana cuidam mais dos vinhos e dos vinhedos. Conta também das suas lembranças na casa de família, erguida em 1901, e que funcionou como um hospital improvidado durante a primeira Guerra Mundial.

À propósito, o termo laranja, cunhado nos Estados Unidos para classificar estes vinhos, não é bem visto pela família. Como os vinhos são fermentados e ficam em contato com as cascas nas ânforas, eles ganham uma coloração âmbar ao contrário dos brancos que conhecemos. A restrição ao laranja é que o termo designa uma moda, e Mateja tem certeza que sua história não é uma moda, mas uma nova maneira de pensar os vinhos.

As mulheres e o vinho

Durante todo o mês de março posto aqui as mais diversas histórias de mulheres no mundo do vinho. Em 2018 foram 23 textos de personalidades e épocas diferentes e em 2019 continuo a tradição. Adorei pesquisar e conhecer mais sobre estas pessoas e seus desafios. Confira, a seguir, quais foram estas mulheres.

2019

2018

– Dona Antónia Ferreira, a querida dona Ferreirinha, que tanto fez pela região do Douro e, por que não, por Portugal

– Barbe-Nicole Clicquot, mais conhecida como a Veuve Clicquot

– Jancis Robinson, a inglesa mais influente do mundo do vinho com o seu www.jancisrobinson.com

– Laura Catena, a argentina que investe nas pesquisas para conhecer e elaborar vinhos de qualidade, na vinícola Catena Zapata

– Lalou Bize-Leroy, a polêmica e competentíssima produtora da Borgonha

– Serena Sutcliffe e os leilões de vinho

– Maria Luz Marín, a chilena pioneira no vale de San Antonio, no Chile.

– Mônica Rossetti, brasileira que atualmente trabalha na Itália. Ela tem papel primordial na história da vinícola gaúcha Lidio Carraro

– Natasha Bozs, uma das primeiras enólogas negras da África do Sul, da Nederburg

– Elena Walch, a arquiteta que virou enóloga e hoje tem sua própria vinícola no Alto Adige

– Véronique Drouhin-Boss, a francesa da quarta geração da domaine Drouhi

– As associações de mulheres e vinhos já existem em 10 regiões francesas

– Lorenza Sebasti, proprietária da vinícola italiana Castello di Ama

– Fabiana Bracco, da Bracco Bosca, que tanto faz pelo vinho uruguaio que pode ser considerada a embaixadora do país

– A portuguesa Filipa Pato, dos vinhos da Bairrada

– Lis Cereja, a brasileira que mais e melhor levanta a bandeira do vinho natural no Brasil

– Féminalise, um concurso de vinhos francês que só tem juradas

– Albiera Antinori, a primeira mulher a dirigir a tradicional vinícola italiana

– Susana Balbo, a pioneira nos vinhos argentinos

– Cecília Torres, a primeira mulher nos vinhos chilenos com o Casa Real

– Ludivine Griveau, que dirige os vinhos do Hospice de Beaune, na Borgonha

– A dupla de amigas e enólogas portuguesas Sandra Tavares e Susana Esteban

– Patricia Atkinson, e a sua aventura de elaborar vinhos franceses


Mais posts

Feira Naturebas reúne vinhos orgânicos, biodinâmicos e naturais em SP

A feira de vinhos orgânicos, biodinâmicos e naturais traz a sustentabilidade emtodas as suas etapas. Evento inicia neste fim de semana [...]

Por que o vinho entrou na pauta econômica?

Além das discussões sobre a substituição tributária, a bebida é tema do acordo bilateral entre Mercosul e União Europeia

Um vinho brasileiro natural em Nova York

Luiz Henrique Zanini apresenta o seu vinho “laranja” Era dos Ventos Peverella

Uma semana para provar vinhos

A Pró-Vinho promove a primeira edição da Semana do Vinho, quando haverá diversas promoções da bebida em todo o Brasil

A importância crescente do enoturismo

A francesa Alice Tourbier, do Les Sources de Caudalie, é o principal destaque do Invino Wine Travel Summit, que acontece nesta [...]
Ver mais