Giro

Máscara será obrigatória nas lojas da Inglaterra no fim de julho

Máscara será obrigatória nas lojas da Inglaterra no fim de julho

Orientações aos clientes para entrada em loja de Londres, em 9 de julho de 2020 - AFP

Depois de muito debate, o governo britânico decidiu que o uso de máscaras contra a propagação do coronavírus nas lojas da Inglaterra é obrigatório a partir de 24 de julho, uma medida que foi recebida como positiva, embora tardia.

Atualmente, a máscara é obrigatória apenas nos transportes públicos e recomendada nos espaços públicos fechados do país.

Segunda onda de COVID-19 poderia causar 120.000 mortes no Reino Unido, diz estudo

Hoje à tarde, porém, o ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, deve anunciar no Parlamento o uso obrigatório de máscara nos estabelecimentos comerciais a partir de 24 de julho, anunciou Downing Street.

E, se decidiram esperar dez dias para pôr a medida em prática – e não imediatamente -, é para “dar tempo às pessoas para se prepararem”, disse o ministro do Meio Ambiente, George Eustice, ao canal Sky News.

Depois de alegar inicialmente que cobrir o rosto poderia ser contraproducente, por dar uma sensação de segurança e inibir o distanciamento, o Executivo conservador britânico está há semanas sob pressão para impor seu uso em ambientes fechados, especialmente por parte do prefeito de Londres, o trabalho Sadiq Khan.

“A compreensão” sobre a utilidade das máscaras “evoluiu”, argumentou Eustice.

“À medida que levantamos o confinamento e permitimos que mais lugares abram, também temos que revisar as medidas em vigor para limitar a transmissão do vírus e controlá-lo”, acrescentou.

Essa obrigação não se aplica a bares e restaurantes ou, como disse Eustice à rede BBC, aos funcionários de supermercados.

Os infratores enfrentarão multas de até £ 100 (US$ 125), como já é o caso no transporte público.

O uso de máscara em lojas já é obrigatório na Escócia e em vários outros países europeus.

País na Europa mais atingido pela COVID-19, com quase 45.000 mortes confirmadas, o Reino Unido suspendeu a maioria das restrições introduzidas desde que o confinamento foi decretado em 23 de março.

A desescalada decidida pelo governo Boris Johnson se aplica apenas à Inglaterra, já que as outras três nações autônomas que compõem o país seguem seus próprios calendários de desconfinamento.

Em um comunicado, a Associação Médica Britânica declarou que o uso de máscaras nas lojas é “muito necessário” e deve ser aplicado imediatamente.

Khan aplaudiu a “mudança de opinião” do governo, enfatizando, em entrevista também à BBC, que “essa pequena medida pode fazer uma grande diferença quando combinada com outras”.

O British Retail Consortium, uma associação profissional do setor de varejo, também elogiou uma medida que traz “clareza”, após uma série de “mensagens contraditórias” que tornava “realmente difícil as pessoas entenderem o que tinham de fazer”.

Veja também

+ Caixa libera FGTS emergencial para nascidos em julho nesta segunda-feira (10)

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?