Marketplace Agrofy quer ser líder em 20 países

Marketplace Agrofy quer ser líder em 20 países

Primeiro marketplace do agronegócio brasileiro, a argentina Agrofy quer ser a maior plataforma digital do setor do Brasil e em mais 19 países até 2025. Os primeiros aportes para a expansão vieram de Syngenta, Bunge, SP Ventures e Brasil Agro. A plataforma cobre as categorias de máquinas e implementos agrícola (como colheitadeiras e pulverizadores), veículos e máquinas pesadas para o agronegócio, de pequenos vendedores até as grandes empresas como Mahindra e Stara. Até o final do ano, o marketplace do agro também oferecerá insumos, sementes e soluções de crédito e seguros rurais. “A Agrofy conectará todas as etapas da cadeia produtiva do agronegócio, sendo um braço digital para as empresas, oferecendo mais opções de negócio, e um facilitador para o produtor, que busca cada vez mais a liberdade de escolha e agilidade no processo de decisão e compra”, diz Rafael Sant’Anna, country manager no Brasil.

(Nota publicada na Edição 1149 da revista Dinheiro)


Mais posts

Picpay é big, brother

Criada em 2012 em uma incubadora no Espírito Santo, a PicPay é hoje a maior empresa de pagamentos digitais da América Latina. Os [...]

O lifting da Innovapharma

A Innovapharma, laboratório britânico especializado em biotecnologia, quer rejuvenescer seu modelo de negócio no Brasil. A partir deste [...]

A multiplicação do consignado

A fintech Consiga+ atingiu em dezembro um patrimônio líquido de R$ 108 milhões no FDIC de consignado privado, o maior de sua modalidade [...]

Força da natureza

Em busca de um pedaço do mercado de produtos naturais, que movimenta US$ 35 bilhões por ano no Brasil (dados da Euromonitor), a Boali [...]

É personalidade do ano

Depois da enxurrada de críticas por ter concedido ao presidente Jair Bolsonaro o prêmio Personalidade do Ano 2019, a Câmara de Comércio [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.