Dinheiro em Ação

Marfrig compra frigorífico nos EUA

Marfrig compra frigorífico nos EUA

Papéis avulsos

A Marfrig Global Foods pagou US$ 150 milhões para adquirir, por meio de sua subsidiária NBM, o controle do frigorífico americano Iowa Premium. A empresa brasileira informou que a decisão de aumentar as operações nos Estados Unidos decorre do bom momento do mercado americano. Em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na segunda-feira 11, a Marfrig informou que os objetivos da compra são obter ganhos de escala e oferecer produtos de maior valor agregado. O Iowa Premium, que faturou US$ 644 milhões em 2018, tem capacidade para abater 1.100 cabeças de gado por dia e trabalha apenas com a raça Black Angus, cujos produtos são mais caros. Para realizar a transação a subsidiária da Marfrig vai investir US$ 76,5 milhões. Os demais US$ 73,5 milhões estão divididos entre outros sócios, como US Premium Beef, TMK Holdings e Jefferies Financial Group. A Marfrig é bastante dependente da apreciação do dólar, pois uma parte significativa de suas receitas vem dos Estados Unidos, onde tanto a demanda quanto os preços dos produtos bovinos vêm crescendo.

 

Bancos

Bradesco bonificará acionistas em 20%

O Bradesco aprovou um aumento de capital de R$ 8 bilhões pela incorporação de reservas de lucros. O banco vai emitir 1,3 bilhão de ações e os acionistas serão bonificados em 20%, recebendo uma ação para cada cinco possuídas. O capital social da instituição financeira presidida por Octavio de Lazari passará de R$ 67,1 bilhões para R$ 75,1 bilhões. No ano, as ações PN sobem 16,5%.

 

Touro x Urso

Após o carnaval, os investidores perceberam um aumento nos esforços do governo para aprovar as reformas. O Palácio do Planalto parece mais empenhado em montar uma base de apoio no Congresso e fazer as mudanças na Previdência. Isso impulsionou o mercado acionário. Em 2019 a alta do Ibovespa supera 11% e coloca o índice perto dos 100 mil pontos. O indicador bateu um novo recorde na quarta-feira 13, aos 98.903 pontos.

 

Quem vem lá

Venda secundária da Burger King

Um grupo de investidores da rede Burger King Brasil vai vender 33,4 milhões de ações ordinárias da empresa, que representam cerca de 15% do capital. Em um fato relevante na terça-feira 12, a companhia informou que o preço de venda das ações, que dependerá da demanda e da cotação de mercado, será definido em 21 de março. Entre os vendedores estão pessoas físicas e a gestora de recursos Vinci. Serão feitas ofertas para investidores profissionais, no Brasil e no exterior. Se houver demanda, poderão ser oferecidas mais 6,7 milhões de ações em uma oferta suplementar e 5 milhões de ações em uma oferta adicional. No ano, as ações sobem 9,6%.

 

Destaque no pregão

Lucro da Sonae Sierra cresce 36,7% em 2018

A incorporadora e administradora de shoppings centers Sonae Sierra lucrou R$ 189,2 milhões em 2018, alta de 36,7% ante 2017. As vendas totais dos lojistas cresceram 3,7% na mesma base de comparação. A taxa de ocupação aumentou pelo terceiro trimestre consecutivo, alcançando 94,6%. A receita operacional líquida subiu 5,1% e chegou a R$ 303,1 milhões. Já a geração de caixa medida pelo Ebitda foi de R$ 209,9 milhões, alta de 12% ante 2017. A empresa também divulgou um investimento de R$ 26 milhões para revitalizar o Shopping Metrópole, em São Bernardo do Campo. A meta, segundo a empresa, é reforçar a gastronomia e a conveniência do centro de compras, um dos mais importantes de seu portfólio de dez unidades.

Palavra do analista:
Os números da Sonae Sierra vieram “levemente abaixo das estimativas”, avalia Raul Grego Lemos, da Eleven Financial. Alguns shoppings permanecem com alta taxa de vacância, escreveu ele em relatório. Lemos acredita que a aquisição adicional no Plaza Sul já deve contribuir positivamente para os resultados de 2019.

 

Concessões

CCR vence licitação para monotrilho de SP

A CCR foi a única a apresentar proposta para a concorrência em assumir as operações do monotrilho na Linha 15 Prata do Metrô de São Paulo. O leilão, realizado na segunda-feira, 11, só teve um lance de R$ 160 milhões, com ágio de apenas 0,59%. A CCR participou da disputa por meio do consórcio Via Mobilidade, da qual detém 80% de participação. Os 20% restantes são da RuasInvest Participações, holding que atua em infraestrutura. A concessão terá um prazo de vinte anos, a contar a partir do início da operação comercial da linha. As empresas ficarão responsáveis pela operação, manutenção, conservação e expansão do monotrilho paulista.

 

 

Mercado em números

MINERVA
R$ 17,5 bilhões – É a estimativa de receita máxima esperada pela exportadora de carne para 2019. O cálculo adota como premissa uma taxa de câmbio em R$ 3,80. A projeção de receita mínima ficou em R$ 16,5 bilhões

DIRECIONAL
R$ 1,9 bilhão – Foi o número total de lançamentos da construtora em 2018, crescimento anual de 72%. As vendas somaram R$ 1,7 bilhão, alta de 84%

KLABIN
R$ 1 bilhão – Será o valor total da 11o emissão de debêntures da companhia. Ela irá utilizar os recursos na gestão de seus negócios florestais e agrícolas

BR PROPERTIES
R$ 596 milhões – É o valor que a empresa desembolsou para adquirir um imóvel comercial em desenvolvimento localizado no empreendimento imobiliário “Condomínio Parque da Cidade”, em São Paulo

SANEPAR
R$ 350 milhões – Será o valor total da emissão de debêntures da empresa de saneamento paranaense. Os recursos obtidos serão destinados ao complemento do plano de investimentos da companhia e ao seu capital de giro

 

O número da semana

12,2%

foi a rentabilidade média dos investimentos dos fundos de pensão fechados com aplicações no mercado financeiro em 2018. O retorno obtido pelas fundações superou em 8,14% a inflação de 3,75% medida pelo IPCA, e ficou acima dos 10,05% do IMA-Geral, índice de renda fixa da Anbima. Não foi o suficiente, contudo, para superar a alta de 15,03% do Ibovespa no ano passado. No acumulado dos últimos 15 anos, a rentabilidade dos fundos de pensão foi de 539,9%, superando os 506,8% da renda fixa, medida pelo IMA-Geral, e os 295,4% das ações, segundo a variação do Índice Bovespa. O patrimônio total dos fundos chegou a R$ 900 bilhões, ou 13,2% do PIB, um avanço de 7,4% ante o ano anterior. Por conta dos resultados positivos registrados o déficit consolidado da indústria caiu de R$ 33,7 bilhões para R$ 29,2 bilhões.