Marcelo Weber, CEO da Invexa Capital

Marcelo Weber, CEO da Invexa Capital

Quem é Marcelo Weber: Economista pela UFSC. Ex-executivo do banco Indusval. Fundador da Invexa Capital.

Qual o perfil de sua gestora?
Fundamos a Invexa há cerca de dez anos e temos R$ 200 milhões em ativos sob administração. Gerimos quatro fundos. Nosso principal produto é um fundo de ações, o Inter+ Ibovespa Ativo, que tem taxa de administração de 2,5% e investimento mínimo de R$ 10 mil. Apesar do nome, não é um fundo indexado ao Ibovespa, ele tem características de um fundo de ações livre.

Qual é a estratégia de investimentos?
Nossas principais posições são setores mais tradicionais da economia. Por exemplo, o sistema financeiro, com foco em bancos médios e bancos digitais. Além deles, temos posições importantes no setor de saúde e em energia elétrica. Mais recentemente, estamos reforçando nossas posições nos segmentos de proteína animal e em minério, especificamente ações da Vale.

O fundo utiliza derivativos?
Sim. Usamos opções e outros derivativos tanto para fazer hedge da carteira quanto para ganhos de curto prazo, quando surgem oportunidades de arbitragem. Fizemos isso no começo do ano passado.

Como foi essa operação?
Em março, quando a pandemia provocou uma forte queda das ações de empresas aéreas, nós conseguimos montar uma posição vendida em papéis desse setor, e o fundo lucrou com a desvalorização das cotações.

As mudanças na Petrobras e o aumento de impostos sobre os bancos agitaram o mercado. Qual sua avaliação?
Uma das características do mercado brasileiro é que ele é muito suscetível à influência política. Mesmo assim, a situação está razoavelmente bem definida. Não há novidades na área fiscal, a dinâmica da vacinação aqui no Brasil já está expressa nos preços, e a aprovação dos incentivos econômicos americanos também.

O que pode afetar os preços?
O que é preciso agora também não é novidade. É preciso fazer reformas que melhorem a situação fiscal. Enquanto isso não ocorrer, o mercado ficará muito suscetível às notícias.

PERDA GERAL

A pandemia custou caro à indústria de fundos. A migração dos investidores da renda fixa para alternativas mais arriscadas, como fundos multimercados e de ações, não foi o único movimento do mercado. Em todas as categorias, os resgates superaram de longe as captações. A redução do emprego obrigou muitos investidores a consumir suas economias para pagar as contas. Os maiores resgates foram registrados nos fundos de renda fixa, que tiveram a saída de cerca de R$ 1 trilhão e um saldo negativo de R$ 925 bilhões nesse período.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago



Sobre o autor


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.